quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Um YOM KIPUR especial em Jerusalém

Em muitos aspectos esta foi uma semana muito intensa para nós aqui em Jerusalém. Somos extremamente gratos a Deus por nos proporcionar este tempo aqui em Israel, conhecendo pessoas, estudando muito e aprendendo a depender mais do Eterno. Foi também uma semana de refrigério e de muitas bênçãos, onde tivemos o privilégio de nos encontrarmos com amigos que muito nos ajudaram e nos motivaram a darmos o nosso melhor em nosso trabalho aqui em Israel. Agradecemos de coração ao Pr. Gustavo e a Ana Paula pelo maravilhoso tempo que passamos juntos, e com muita alegria pudemos ver como Deus tem levantado este casal para despertar a Igreja no Brasil com relação à restauração de seu relacionamento com Israel e o povo judeu, de maneira equilibrada e saudável.

Judeus orando no dia de Yom Kipur - Maurycy Gottlieb, 1878

Rosh Há Shaná passou e em poucos momentos estaremos iniciando o jejum de Yom Kipur, o dia da expiação. São 24 horas sem beber e sem comer absolutamente nada, onde ficamos em constante oração e arrependimento não penas por nossos pecados individuais, mas principalmente pelos pecados de nosso povo como nação. Este é o objetivo principal de Yom Kipur, promover o arrependimento coletivo da nação de Israel. Cremos na importância de Yom Kipur para despertar não só em Israel como também na Igreja ao redor do planeta a necessidade de orarmos e pedirmos perdão ao Eterno pelos pecados de nossas nações perante o Senhor. Já imaginaram se a Igreja brasileira jejuasse e orasse uma vez por ano, unida e comprometida, pedindo perdão pelos pecados da nação e de seus governantes? Pois bem, Deus estipulou este dia de clamor por nossas nações e ele é chamado de Yom Kipur!

Desejo a todos um bom Yom Kipur e que nossas súplicas possam ser ouvidas por Deus. O mundo passa por uma crise não apenas econômica, mas também moral, que contribui para o distanciamento por parte das sociedades dos princípios e valores do Deus de Israel. Aliás, esta crise atual e muitas outras são fruto desse distanciamento. Daí a importância de nos arrependermos pelos pecados de nossos governantes e de nossa nação, clamando pela intervenção divina.

Shalom u’Vrachá Le culam (paz e bênçãos a todos),

MZandona