quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Zmân Simchatênu!

A festa de Sucôt (Tabernáculos ou Tendas) é a maior das festas bíblicas. Ela é a única festa que é chamada de “A Festa” (Lv 23:39) e com certeza é a festa bíblica com maior significado profético. Durante as bênçãos de Sucot, declaramos: “Zman Simchatenu” – Tempo da nossa alegria! Vejamos o mandamento divino para Israel:

“Porém aos quinze dias do mês sétimo, quando tiverdes recolhido do fruto da terra, celebrareis A FESTA do SENHOR por sete dias; no primeiro dia haverá descanso, e no oitavo dia haverá descanso. E no primeiro dia tomareis para vós ramos de formosas árvores, ramos de palmeiras, ramos de árvores frondosas, e salgueiros de ribeiras; e vos ALEGRAREIS perante o SENHOR vosso Deus por sete dias. E celebrareis esta festa ao SENHOR por sete dias cada ano; estatuto perpétuo é pelas vossas gerações; no mês sétimo a celebrareis. Sete dias habitareis em tendas; todos os naturais em Israel habitarão em tendas; Para que saibam as vossas gerações que eu fiz habitar os filhos de Israel em tendas, quando os tirei da terra do Egito. Eu sou o SENHOR vosso Deus.” (Lv 23:29:43)

As pessoas devem entender que os mandamentos do Eterno não são apenas alegorias espirituais que nos ensinam sobre a natureza de Deus. Mais do que isso, são ações literais cujo preparo e cumprimento também nos ensina maravilhas sobre o amor e a fidelidade de Deus. Assim, conforme o mandamento que é “estatuto perpétuo”, durante os dias de Tabernáculos construímos tendas em nossos jardins e/ou varandas. Estas tendas são decoradas com elementos naturais e frutas, bem como com os nomes de nossos “convidados especiais”, ou como dizemos em aramaico, “Ushpizin” - Abraão, Isaque, Jacó, José, Moisés, Arão e Davi, homens de Deus que trazemos à memória no tempo em que estamos no interior da Sucá (tenda). Tabernáculos é tempo de recebermos convidados e nos alegrarmos na presença de Deus. As quatro espécies de vegetais (arba milim) também são utilizadas até hoje durante os serviços matinais de Tabernáculos e representam um grande paralelo com o povo judeu e até mesmo com a Igreja!

Judeus ortodoxos almoçam na Sucá construída ao lado da Sinagoga

Atualmente não dormimos na Sucá (apesar dos mais novos se aventurarem), mas comemos nossas refeições em seu interior, contemplando os céus e nos lembrando de como somos “temporários” como a Sucá, nossa habitação temporária. Tabernáculos nos lembra que somos totalmente dependentes do Eterno. Não foi à toa que o Eterno escolheu justamente os meses de setembro/outubro para a celebração desta festa. Estes meses são meses de chuva em Israel e este aspecto da incerteza se teremos chuva ou não, faz com que nos sintamos ainda mais dependentes dEle. Ainda mais devido ao fato do teto da Sucá ser semi-aberto, composto apenas de palmeiras! Deus é perfeito!

No Kotel, as orações são feitas com as 4 Espécies (arba milim - Lv cap 23) nas mãos

A água também é um elemento muito importante durante Sucôt. Até o ano 70 d.C., havia uma cerimônia maravilhosa no último dia da Festa, em que o sumo sacerdote buscava água na fonte de Siloé, e, seguido de uma procissão em júbilo, derramava esta água no altar no interior do Templo em Jerusalém. Neste momento, o sumo sacerdote entoava em alta voz os versos finais do Salmo 118: “Esta é a porta do SENHOR, pela qual os justos entrarão. Louvar-te-ei, pois me escutaste, e te fizeste a minha salvação (Yeshuati). A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se a cabeça da esquina. Da parte do SENHOR se fez isto; maravilhoso é aos nossos olhos. Este é o dia que fez o SENHOR; regozijemo-nos, e alegremo-nos nele. Salva-nos (Hoshiana), agora, te pedimos, ó SENHOR; ó SENHOR, te pedimos, prospera-nos. Bendito aquele que vem em nome do SENHOR; nós vos bendizemos desde a casa do SENHOR. Deus é o SENHOR que nos mostrou a luz; atai o sacrifício da festa com cordas, até às pontas do altar. Tu és o meu Deus, e eu te louvarei; tu és o meu Deus, e eu te exaltarei. Louvai ao SENHOR, porque ele é bom; porque a sua benignidade dura para sempre.” (Sl 118:20-29).

Segundo os Escritos do Novo Testamento, foi exatamente neste dia, durante esta oração do sumo sacerdote com as multidões reunidas no Templo, que Yeshua declarou em alta voz: “Se alguém tem sede, venha a mim, e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu interior!” (Jo 7:37-38). Yeshua desafia as multidões e se revela como o Messias de Israel, fazendo uma alusão direta ao texto de Isaías cap 12 e também ao Salmo 118. Quando ele diz: “...como diz a Escritura...”, ele se referia exatamente ao texto do Salmo 118 que exaltava ao Messias, o Ungido de Deus. Exatamente quando o povo clamava pelo Messias, Yeshua se revela em autoridade e poder como o Ungido de Deus.

Tabernáculos fala do Messias e do futuro próximo, onde as nações subirão a Jerusalém para adorar ao Eterno durante estes dias (Zc 14:16). Durante Tabernáculos também era costume o chefe da nação (Rei, Juíz ou Profeta), ler em público o livro de Deuteronômio (Devarim). Assim, peregrinos de Israel e de todas as nações aprenderiam sobre as proezas do Senhor e sobre a Sua Lei para a cumprir! (Dt 31:10). Para isso as nações subirão a Jerusalém em Tabernáculos, para adorar e APRENDER sobre a LEI do Senhor!

Milhares de cristãos, motivados pelas palavras escatológicas do profeta Zacarias, visitam Jerusalém durante a Festa dos Tabernáculos. Milhões de dólares são gastos em uma celebração de luxo especialmente preparada para eles. Eles marcham pela cidade de Jerusalém e são recebidos pelo primeiro ministro de Israel como convidados ilustres da nação. Tudo acontece na mais perfeita harmonia, pois o acordo entre o governo de Israel e essas organizações cristãs se baseia na proibição do evangelismo e/ou proselitismo, ou seja, tudo pode ser feito desde que o nome de Yeshua (Jesus) não seja explicitamente anunciado. O Nome “Jesus” ou “Yeshua” não deve aparecer em nenhum cartaz, banner ou anúncio. Estes milhares de cristãos que dizem amar a Israel e ao povo judeu não têm contato algum com judeus cristãos locais, os quais sofrem amargamente por anunciarem Yeshua como o Messias por aqui. Aqui existe judeu messiânico sem emprego e até mesmo sem moradia, pelo simples fato de crer abertamente em Yeshua como o Messias, mantendo sua identidade judaica. Se não fosse a penosa ajuda das congregações locais, estas famílias de judeus crentes estariam passando fome. Aliás, muitos estão passando fome pois não há recursos para ajudar a todos.

Enquanto isso, os cristãos brincam de celebrar Tabernáculos em Jerusalém, com seus pastores milionários andando pela cidade cercados por seguranças e hospedados em hotéis 5 estrelas. São recebidos com honra pelos governantes da nação e trocam honrarias e medalhas entre si. Ajudar aos “santos de Jerusalém” como ordenado por seu apóstolo (Paulo) em Rm 15:26-27? Não como deveriam, pois os mesmos não são prioridade! Aprender a Lei do Senhor conforme os gentios deveriam fazer durante Tabernáculos em Jerusalém (Dt 31:10)? Jamais! "Isto é coisa do Velho Testamento", dizem eles.

"Marcha de Jerusalém" - Muito dinheiro para os cofres de Israel e pastores milionários, quase nada para os Judeus messiânicos locais

Bem, é melhor eu parar por aqui pois Tabernáculos é para ser tempo da nossa alegria, não é verdade? Oro apenas para que os cristãos acordem de sua fantasia teatral de Tabernáculos e comece a se interessar em realmente OBEDECER aos mandamentos prescritos para os gentios entre as nações que temem e querem servir ao Deus de Israel.

Chag Sameach (Feliz Festa),

MZandona