sábado, 27 de dezembro de 2008

Nesta manhã de shabat acordamos ao som de caças Israelenses. Achamos um pouco estranho pois não é comum exercícios militares no Shabat. Poucas horas depois, descobrimos se tratar da resposta de Israel aos militantes do Hamás sob a forma de um devastador ataque aéreo contra prédios e locais utilizados pelos terroristas. Até o momento, 155 pessoas morreram e mais de 200 estão feridas de acordo com a autoridade Palestina. Israel deixou completamente a Faixa de Gaza há três anos, e conforme predito por especialistas locais, a violência contra as cidades judaicas próximas à fronteira aumentou em 40%. Mais uma prova para os pseudo-especialistas que existem por aí que este não é um conflito territorial, mas sim religioso e ideológico. O objetivo de grupos como o Hamás nunca foi co-existir com Israel, mas sim, destuir Israel. Ainda assim, o ataque de hoje já está gerando grande polênica interna aqui em Israel, e a população judaica está dividida.

Ataque da força aérea Israelense contra prédios utilizados pelo Hamás em Gaza

Nesta semana, militantes do Hamás lançaram dezenas de foguetes Qassam em cidades judaicas próximas às fronteiras com a Faixa de Gaza e até mesmo com o Líbano. Em apenas um dia foram lançados mais de 60 foguetes, totalizando mais de 100 apenas em menos de 5 dias. Este ataque contínuo de militantes do Hamás contra civis israelenses foi motivo de comemoração e festa em Gaza, uma vez estavam sendo feitos já há duas semanas sem retaliação alguma por Israel. Durante os vários meses de ataques diários às cidades judaicas, nenhum veículo da mídia internacional se preocupou em divulgar o fato. Mas agora que Israel decidiu atacar os postos do Hamás para defender seus cidadãos, tenho certeza que a mídia mundial cobrirá todos os detalhes, e como sempre, mostrará a situação com grande distorção da verdade.

Militantes do Hamás preparam foguetes para serem lançados contra cidades Israelenses: mais de 100 apenas nesta semana

Este ataque devastador com certeza terá uma resposta não apenas dos militantes do Hamás, mas também dos palestinos que moram e trabalham em Israel. São exatamente estes ataques, em sua maioria suicidas, que vitimam mais pessoas nos centros urbanos como Tel-Aviv, Haifa, Netanya e principalmente Jerusalém. Israel possui provas que as lideranças islâmicas da Síria, Egito e principalmente do Iran são as responsáveis pelo planejamento e suprimento bélico para grupos como o Hamás, o Fatah e o Hizbolá, (incluindo o intensivo ataque de foguetes desta semana), mas há uma certa relutância por parte de alguns países europeus como a Inglaterra, por exemplo, em reconhecer tal fato. Como exemplo, podemos citar o convite absurdo do canal 4 inglês ao presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, para discursar em rede nacional ao povo britânico uma mensagem especial de Natal. Ahmadinejad desejou aos cristãos “Boas Festas” e disse que se Jesus Cristo estivesse vivo nos dias de hoje ele seria contrário às “potências expansionistas”, uma referência direta aos EUA e a Israel. O fato do presidente iraniano declarar abertamente seu desejo de “riscar Israel do mapa”, além de seu conhecido ódio contra os infiéis do ocidente (cristãos e judeus), parece não ter importância para os diretores do Canal 4.

Mensagem de Natal de Ahmadinejad em rede nacional na Inglaterra: "Cristo retornará com um dos filhos do Mensageiro do Islamismo e guiará o mundo à era do amor, da irmandade e da justiça".

O ano de 2008 termina com uma grande crise econômica mundial, com o islamismo dominando e impondo suas normas à vários países europeus, e Israel lutando para proteger sua população contra centenas de ataques conduzidos pelo Hamás. Aos olhos humanos não há previsão de melhora, mas cremos que a intervenção divina opera exatamente em momentos como este. Contamos, mais do que nunca, com as orações e a intercessão de todos, pois sabemos que “muito pode, com sua eficácia, a súplica do Justo".

Desejando a todos um Sábado com a tão desejada PAZ,

MZandonna