quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Palestinos acusam o Hamás de causar morte de civis

Tenho mostrado para vocês através de fontes daqui de Israel como o "outro lado da história” é omitido pela mídia internacional. A maneira como o Hamás causou a morte de centenas de civis é muito pouco divulgada. Mas esta semana, o comandante das operações em Gaza, Gal. Eyal Eisenberg, afirmou que o uso de crianças e mulheres pelo Hamás durante a ofensiva de 3 semanas foi simplesmente “monstruoso” e “desumano”.

Temos provas e testemunhos de civis palestinos que afirmaram que oficiais do Hamás os obrigavam a carregar armamentos para os soldados na linha de frente”, disse Einsenberg em entrevista ao jornal HaAretz. “Famílias inteiras habitavam em residências repletas de explosivos sem ao menos saberem”, concluiu o general israelense.

Mas a notícia mais interessante desta semana não veio de jornais israelenses, mas sim de um jornal italiano. O “Corriere della Sera” publicou nesta quinta-feira uma entrevista com um médico palestino do hospital “Shifa”, da cidade de Gaza.

Segundo este médico, os palestinos estão acusando o Hamás de forçar civis a permanecerem em suas casas enquanto soldados da facção terrorista utilizavam suas residências para atacar soldados israelenses. Entre os palestinos há uma séria desavença no momento em relação ao número de mortos no conflito. O Hamás declara que 1250 palestinos morreram, dentre os quais mais da metade seriam civis. Mas o Hospital Shifa da Cidade de Gaza afirma que este número seria de 500, no máximo 600 mortos, a maioria jovens entre 17 e 23 anos que foram alistados pelo Hamás.

Talvez o que está acontecendo agora seja igual ao ocorrido em Jenin, em 2002, quando o exército israelense entrou em confronto com militantes palestinos na Cisjordânia. No início os palestinos anunciaram que 1500 pessoas haviam morrido no confronto, mas depois assumiram que apenas 54 pessoas morreram, dentre os quais 45 eram militantes”, afirmou o médico do hospital Shifa, da cidade de Gaza.

Charge publicada no jornal Jerusalem Post

Termino este post citando uma frase do discurso de posse do mais novo presidente americano, Barack H. Obama, que dirigiu a palavra aos líderes fundamentalistas islâmicos de nossos dias.

"Para os líderes ao redor do globo que buscam semear conflitos ou que culpam o Ocidente pelas doenças de suas sociedades, saibam que seus povos julgarão vocês não pelo que vocês podem destruir, mas sim pelo que vocês podem construir".

Que os oficiais do Hamás ouçam as palavras do presidente americano e se preocupem mais em cuidar dos cidadãos de Gaza, provendo infra-estrutura e uma condição de vida digna para homens e mulheres de bem. É hora de garantir um futuro melhor para as crianças palestinas.

Shabat Shalom,

MZandonna