segunda-feira, 1 de junho de 2009

Estamos celebrando nesta semana a Festa de Shavuot (Pentecostes). Shavuot é uma das três festas de peregrinação mencionadas na Torá, além de Páscoa (Pessach) e Sucot (Tabernáculos). Nestas festas, judeus e não judeus de todas as partes do mundo se reuniam em Jerusalém para adorarem ao Deus de Abraão, Isaque e Jacó. A Festa de Shavuot era muito especial pois ela finalizava o final dos 50 dias de colheita e ajuntamento das primícias para serem oferecidas a Deus. Um dos principais aspectos de Shavuot era a cerimônia de apresentação desses primeiros frutos na Casa de Deus em Jerusalém, oferecendo-os aos sacerdotes e levitas. A dádiva da Torá no Monte Sinai também é associada à Festa de Shavuot, e é claro que esta é a razão pela qual Deus escolheu este dia para manifestar o Seu Espírito sobre os Apóstolos, o povo de Israel e os habitantes de Jerusalém.

Em nossa Congregação, tivemos na noite de Shavuot uma noite inteira de estudos, comida e adoração. Todos também assistimos ao filme “Os Dez Mandamentos”, com Charleston Heston como Moisés. Este é um costume muito antigo, onde passarmos toda a noite estudando a Palavra de Deus, comendo produtos lácteos e lendo o livro de Rute durante Shavuot. Shavuot é também a Festa dos tementes a Deus e dos prosélitos. Apesar do Apóstolo Paulo ser totalmente contra a judaização de gentios, contra a circuncisão e a conversão ao judaísmo por parte de não judeus, Paulo trabalhava arduamente para que os gentios aceitassem e recebessem ao Deus de Israel como seu Deus e para que abandonassem os ídolos e deuses os quais adoravam. Em outras palavras, Paulo não pregava um evangelho “sem lei”, e não permitia que os gentios continuassem em seus caminhos de idolatria. Pelo contrário, ele trabalhava para que os gentios largassem seus ídolos e se voltassem ao Deus de Israel. Essencialmente, Paulo queria que os gentios se convertessem da idolatria à Fé em um único Deus, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó e Seu filho Yeshua, o Rei dos Judeus. A idéia é que estamos juntos mas somos diferentes, o judeu permanece judeu e o gentio não se converte ao judaísmo. É isto que realmente significa estar enxertado na oliveira natural (Romanos capítulo 11).

Então, de certa forma, todo não judeu que entregou sua vida a Deus e a Yeshua o Messias, é um “semi-prosélito”. Ele deixou os ídolos de seus familiares e se voltou ao Deus de Abraão; deixou os muitos deuses gregos e romanos e se associou ao Deus de Jerusalém e da Terra de Israel. Eu sei que estou colocando as coisas de uma forma bem diferente do que muitas pessoas estão acostumadas a ler, mas se você pensa nessa situação sob o ponto de vista bíblico, você verá que é exatamente isso que Paulo estava pregando. Foi por isso que Paulo voltou a Jerusalém com os sete jovens não judeus e com a contribuição das Igrejas da Ásia menor e da Grécia em favor dos santos de Jerusalém. Verdadeiramente, o que Paulo estava fazendo era cumprir as promessas que Deus deu aos profetas de Israel, onde não judeus se uniriam a Israel na adoração ao Deus vivo: “E muitos povos virão e dirão: ‘Vamos todos subir ao Monte do Senhor, rumo à casa do Deus de Jacó; para que Ele nos ensine os seus caminhos e para que andemos em suas veredas. Pois de Sião sairá a Lei (Torá) e a palavra de Deus de Jerusalém” (Is 2:3).

Shavuot é, em minha opinião, uma Festa bíblica para judeus e gentios que são discípulos de Yeshua, e foi por isso que nesta data o Espírito de Deus encheu os apóstolos de Yeshua que estavam reunidos no Monte Sião. Vocês talvez gostarão de saber que durante a visita do Papa a Israel no mês passado, ele pediu para que o Estado de Israel cedesse à Igreja Católica o local conhecido como “Cenáculo”, onde o catolicismo crê que Yeshua e os apóstolos celebraram o jantar de Seder (Páscoa). Eu creio que o Estado de Israel ainda não deu uma resposta ao pontífice, mas é importante saber que o tal cenáculo não poderia ser, em hipótese alguma, o local onde os discípulos estavam reunidos durante este evento. O prédio todo foi construído durante a ocupação dos cruzados, há cerca de 1000 anos. Mas, o que podemos dizer? Se o Papa quer o cenáculo, talvez o Estado de Israel até possa cedê-lo ao Vaticano. Muitas vezes a “troca de favores” nos meios políticos escondem ou encobertam a verdade.

Precisamos das orações de todos em favor de Yuda e Lydia enquanto viajam a Hong Kong para apresentarem nosso trabalho em Israel em uma conferência Internacional chamada “A Call2All” – um chamado para todos. Imprimimos um grande pôster e enviamos muitos de nossos livros. Temos também várias pessoas que necessitam de oração por cura e fortalecimento físico. Na verdade, nos últimos dias eu também não tenho me sentido muito bem. Peço oração pela minha vida, para que o Eterno me cure e me fortaleça.

Orem também por Tim Tucker na Finlândia, pelo Paulo no Brazil, e por Liz, Ruby, Lonnie e Barbara, nos EUA. Em Jerusalém temos o time da “velha guarda”: Ahuva, Leora, Lea, Tzvi e Sara, Sarit e também minha esposa Márcia e David S., que saiu do hospital e está se recuperando bem.

Aqui no Netivyah, precisamos das vossas orações para nosso prédio em Jerusalém. Tivemos que reparar nosso piso há algumas semanas e isso nos custou perto dos 20.000 dólares. Nosso prédio é velho e agora são as varandas que estão cedendo. Precisamos urgentemente realizar uma obra de reparo e isso também será muito caro. Assim, nos ajudem em oração para que a prefeitura de Jerusalém aprove nosso projeto. Se isso acontecer, faremos novas construções e também reformas ao mesmo tempo.

Bênçãos sobre todos e Feliz Festa,

Joseph Shulam