sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

POR QUE YESHUA?
Por Matheus Zandona
Várias são as profecias sobre os nomes do Ungido de D-us, que viria para redimir a humanidade e aproximá-la do Criador. Uma das mais conhecidas se encontra no livro de Isaías, capítulo 9 verso 6: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz (...).”. Na verdade, estes seriam títulos e qualidades pelas quais o Filho de D-us seria reconhecido. Isto também ocorre com o Criador, que apesar de possuir e revelar seu nome para os seus escolhidos (YHVH), possuía vários outros nomes oriundos de suas infinitas qualidades. Ex. Homem de Guerra, Senhor dos Exércitos, Senhor que Cura, Poderoso de Israel, Misericordioso, etc.

O relato do nascimento do redentor contém a chave para entendermos a natureza de seu nome e de seu ministério. Vejamos: “(...) e apareceu um anjo do Senhor a José em sonho e lhe disse: (...) tua mulher dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.” (Mt 1:20,21). O anjo diz que o nome do menino deveria ser Jesus devido ao fato que ele salvaria o seu povo dos seus pecados. Mas que conexão há entre o nome “Jesus” e a tarefa de “salvar” o seu povo do pecado? Porque ele não poderia ter se chamado José, Jacó ou Isaque? Porque o nome Jesus? Será que o nome Jesus foi “inventado” pelo anjo, sendo o “menino Jesus” o primeiro “Jesus” que existiu?

Não exatamente. O nome Jesus em hebraico é YESHÚA, e quer dizer “D-us Salva” ou “Salvador”. Este nome era muito comum entre os judeus no período anterior ao exílio babilônico (I Cr 24:11, I Cr 31:15) e mais ainda após o exílio babilônico (séc V a.C), como podemos ver em algumas passagens dos livros de Esdras e Neemias. Ex. Esdras 2:2; 2:36; 3:2; 4:3; 5:2; 8:33; 10:18; etc; e Neemias 3:19; 7:7; 8:17; 9:4; 11:26; 12:1; 12:24; etc. Em todas essas passagens, o nome utilizado no original é YESHUA, apesar de ter sido transliterado erroneamente como “Jesua”.

Assim, apenas na língua Hebraica (que foi a língua falada pelo anjo a José), podemos entender a riqueza e a conexão existente entre o NOME do redentor e sua MISSÃO. Em hebraico, o anjo disse a José (Mt 1:21): “Vê Karáta et shemô YESHUA ki hu YOSHIA et amô me aonoteihêm”. Notem o “jogo com as palavras” do anjo. Ele diz: “(...) e lhe chamarás YESHUA pois ele YOSHIA o seu povo dos pecados deles”. Traduzindo literalmente, seria como se o anjo dissesse a José: “E lhe chamarás “SALVADOR” pois ele “SALVARÁ” o seu povo dos pecados deles. Quão profundas foram as palavras do anjo!

Por isso o Messias tinha que ser conhecido como Yeshua (Salvador ou D-us é Salvação), pois sua missão seria SALVAR o seu povo (ISRAEL) dos próprios pecados.

Atualmente, algumas pessoas sem um conhecimento mínimo de história, hebraico e arqueologia, têm fundado seitas baseadas no nome de Yeshua, afirmando ser o seu nome na verdade “Yehoshua” e até mesmo “Yaoshua”. Como já foi dito antes, o nome Yeshua era muito comum entre os filhos de Israel, e documentos históricos da época de Yeshua (como os escritos de Flavius Josephos, os escritos do Mar Morto e documentos dos governos romanos sobre as cidades da Judéia) provam que a grafia do nome daquele que ajuntava multidões era “Yeshua”, e não YAOSHUA ou YEHOSHUA como tentam erroneamente provar algumas pessoas. Recentemente, a descoberta de um ossuário datado do século I d.C com os dizeres : “Aqui estão os restos mortais de Tiago, filho de José, irmão de YESHUA”, ajudou a colocar um fim à questão. Apesar de arqueólogos contratados pelo Vaticano terem declarado que o ossuário era uma fraude (pois se fosse declarado verdadeiro destruiria a crença católica de que Maria permaneceu virgem após o nascimento de Yeshua), arqueólogos e historiadores de Israel e de vários países comprovaram a autenticidade da descoberta. O ossuário foi “misteriosamente” destruído em fevereiro de 2003, durante seu transporte para o Canadá. Como disse um famoso rabino: “... os que tem poder manipulam os fatos e alteram a história”.