terça-feira, 3 de maio de 2011

Lista de Oração de Jerusalém – 28 de abril, 2011

Por Joseph Shulam

A Páscoa já passou e agora estamos no 9º dia da contagem dos feixes (O Omer, em Hebraico), temos outros 41 dias até Pentescostes. Todos os dias nós contamos e pronunciamos o dia do Omer (a contagem dos feixes) e esperamos pela festa de Shavuot, que em grego é chamada de Pentecostes. Esses cinqüenta dias entre Pessach e Shavuot é um período muito significativo para os judeus, porque é ordenado na Torá de Moisés e porque ele traz à memória os tempos bíblicos, quando éramos uma sociedade agrícola que trabalhava a terra e a primeira colheita depois da Páscoa era muito importante. Agora que somos uma sociedade mais urbana tudo o que resta é a memória desses tempos antigos, quando colhíamos o trigo e a cevada, e trazíamos os primeiros frutos de nossos campos e dos rebanhos e dos jardins para o templo do Senhor em Jerusalém. A celebração de Shavuot era um grande acontecimento, e muita alegria e adoração ocorria quando as pessoas se vestiam com as suas melhores roupas e marchavam para o templo em Jerusalém com os cestos de suas ofertas ao Senhor. Cada um ia levando os melhores pepinos de seus campos, e as melhores abóboras e melancias, para apresentar ao Senhor, em Sua casa.

O apóstolo Paulo fez um voto perto de Corinto, na cidade de Cencréia (Ver Atos 18:18) para chegar a Jerusalém para a Festa de Shavuot (Pentecostes) e trazer o seu primeiro fruto de estar presente em Jerusalém. Os primeiros frutos de Paulo eram sete irmãos de origem gentílica e o dinheiro que ele recolheu das igrejas na Ásia Menor e na Grécia para dar em Jerusalém. Paulo sentiu-se fortemente motivado a realizar esta missão de levar o dinheiro e os sete jovens Gentios a Jerusalém e apresentá-los juntamente com o dinheiro que foi trazido da sua obra entre os gentios. Havia uma música que era cantada na década de 1960 nos Estados Unidos, na maioria das igrejas evangélicas, e a irmã Frida Lidsey costumava cantar essa música em todas as reuniões:

Eu devo ir, e de mãos vazias, assim, meu querido Redentor encontrar?

Nem um dia de serviço dar-Lhe colocar nenhum troféu aos Seus pés?

Refrão:

Eu devo ir, e de mãos vazias? Devo encontrar meu Salvador assim?

Nenhuma alma com a qual cumprimentá-Lo,

Devo ir de mãos vazias?

Acho que, nestes dias de colheita, deveríamos nos fazer a mesma pergunta. “Eu devo ir, e de mãos vazias? Devo encontrar meu Salvador assim?” Nosso mundo está mudando muito a cada dia. Ainda ontem a notícia era que o Hamás (uma organização terrorista radical mulçumana jihadista reconhecida como tal pelos Estados Unidos e todos os países livres do mundo) fez um acordo de paz com o Fatah, governo provisório palestino de Mahmud Abass. Há apenas três anos atrás, as duas organizações palestinas estavam se matando nas ruas de Gaza, e agora elas estão fazendo a paz uma com a outra. Acho que fazer a paz é sempre bom, porque se eles estivessem divididos, isso significaria que não poderíamos fazer as pazes com qualquer um deles porque o outro ainda seria contra o acordo de paz com Israel. Pelos menos agora, quando os palestinos estão unidos, há um corpo o qual podemos responsabilizar pelo lançamento de foguetes e mísseis em nossas cidades do sul no norte do deserto de Negev. Por favor, orem por todo o Oriente Médio e para que D-us permita que o milagre da paz desça do céu sobre ambos judeus e árabes em Israel e sobre todos os nossos vizinhos.

Eu sei que os nossos políticos e os políticos deles não podem fazer isso, mas sei pela Bíblia que D-us pode, como Ele tem no passado enviado anos de calma e paz a todos nós. Devemos orar também para que não venhamos a D-us de mãos vazias, mas para que sempre tenhamos primeiros frutos para trazer ao Seu altar. O melhor do rebanho, se você tiver ovelhas ou cabras, o melhor dos campos, se você tiver milho, cevada ou trigo, o melhor das árvores frutíferas, se você tiver alguma. Mas, se você não tiver qualquer um desses frutos agrícolas talvez você tenha outros primeiros frutos para aprensentá-LO. Ele vai aceitar qualquer coisa que você Lhe ofertar com toda a sinceridade de sua alma e do mais profundo do seu coração!

Por favor, continuem orando pelos países árabes e pelo Estado de Israel. As mudanças que estão ocorrendo no Oriente Médio tornam o nosso mundo muito incerto do ponto de vista do mundo. Do ponto de vista profético todos nós sabemos o que deve acontecer e nós dizemos diariamente, “Maran Ata” – Senhor, venha depressa! Mesmo assim, precisamos de suas orações e seu apoio, pois como o tempo e o dia se aproxima, precisamos estar preparados e purificados pelo amor de Yeshua e por Sua graça, prontos para encontrarmo-nos com O Rei e nos prostrarmos diante dEle em adoração. Como você pode ver com a tecnologia moderna, as coisas evoluem muito rápido e eventos, que talvez pensamos levariam anos para acontecer, estão acontecendo em dias e semanas.

O programa de distribuição de alimentos do Netivyah está funcionando novamente depois dos feriados e as pessoas têm telefonado para o nosso escritório ansiando receber novamente esses presentes de amor do Netivyah. É realmente um privilégio que temos sermos participantes desta boa obra. Tenho certeza que todos vocês que contribuíram para com os pobres de Jerusalém devem sentir-se da mesma forma, você deve se sentir bem de estar fazendo o que o apóstolo Paulo ordenou às igrejas na Grécia, Ásia Menor e em Roma no primeiro século. Você está realmente participando de um ato do Novo Testamento de primeira qualidade e em obediência direta a uma ordenança Apostólica. É só ver o que Paulo diz em Romanos 15:26-27.

Estou ensinando na Rádio Kol Há Yeshua uma nova série sobre o tema da oração. Este ensinamento não é nada parecido com o ensino padrão que você já ouviu falar em tantas igrejas evangélicas protestantes no Ocidente. Estou passando por cada oração em toda a Bíblia e analisando-as de quatro parâmetros diferentes: a ocasião da oração, o propósito da oração, a pessoa que está orando (porque o Novo Testamento diz que: “A oração de justo é muito valiosa”) e os resultados da oração. Há uma grande riqueza neste tipo de estudo e o desfecho é muito surpreendente. Espero que um novo livro sobre a oração resulte deste ensino. Uma coisa já é evidente para mim e isso é que muito do que tenho feito em minha vida de oração tem sido pouco, para não dizer o mínimo. Meu novo livro “Plantados na casa do Senhor: D-us, Israel e a Igreja”, está sendo solicitado a cada dia na nossa página da web (www.netivyah.org) em todas as línguas, Hebraico, Inglês e Alemão. E enquanto falamos está sendo traduzido também para o Português, coreano e japonês. Eu gostaria muito de vê-lo traduzido para o russo, chinês e búlgaro. Para isso lhe peço para se juntar a mim em oração.

Nós nunca esquecemos os nossos irmãos e irmãs enfermos em Israel e em todo o mundo. Continuamos a orar por aqueles que são doentes crônicos e necessitam de um toque das mãos de D-us para a cura: Ruby nossa querida irmã, Paulo, que é um jovem em Curitiba, Brasil, Ishiida San, que é um idoso e sobrevivente dos campos de prisioneiros russos da Segunda Guerra Mundial, e Tim Tucker, que é um querido amigo e um irmão maravilhosamente dedicado na Finlândia, e por Lynn nosso querido irmão nos EUA. Nós também pedimos a você que orem por aqueles em Israel, o nosso mais antigo grupo de guerreiros de oração, Ahuva, Leah, Ilana, Sarit, Marcia minha esposa, Mayrav, David Stern, e o outro David. Também continuamos orando por minha filha Danah e Noaam minha neta que precisam de orações especiais.

Eu tenho uma agenda muito cheia de ensino neste mês e no mês de maio. Amanhã estarei ministrando um seminário para um grupo de irmãos e irmãs jovens em Jerusalém. O tema da minha palestra será, “Agenda do Apóstolo Paulo e a Visão de Mundo”. Isto é muito importante para afastar o entendimento errado sobre a visão dos Apóstolos da graça de D-us, da Torá, e dos mandamentos de D-us. As igrejas têm herdado uma espécie de visão proveniente dos séculos terceiro, quarto e século XV, que é baseada em um paradigma católico muito danoso e prejudicial tanto para a comunidade de crentes do mundo inteiro quanto às pessoas individualmente. É algo que precisa de revisão e re-educação, e oro para que D-us me dê as palavras e o Espírito Santo para me comunicar com a nova geração de crentes israelenses e ensinar-lhes o Caminho do Senhor mais perfeitamente. Na próxima segunda-feira eu continuarei a ensinar em Haifa aos nossos irmãos russos falando sobre o livro de Atos. E mais uma vez estarei ensinando em um seminário em Jerusalém, e depois, em uma conferência sobre Restauração na Itália, que será realizada nas proximidades da cidade de Bolonha, Itália.

Vou parar esta lista de oração agora e abençôo a todos durante estes dias da contagem do Omer e desejo a todos vocês que possam encher as mãos com as boas obras e tenham algo significativo para trazer ao Senhor durante a Festa de Shavuot.

Que D-us esteja com todos nós e nos traga a Sua paz em nome de Yeshua.

Joseph Shulam