terça-feira, 27 de setembro de 2011

Lista de Oração de Jerusalém, de 22 de setembro, 2011

Por Joseph Shulam

Estamos nos aproximando do que é chamado: “Dias Terríveis” no calendário judaico. Estes são 10 dias entre o primeiro dia do mês de Tishrei (sétimo mês do calendário bíblico) e o décimo dia do mesmo mês. O primeiro dia de Tisheri é chamado hoje Rosh Hashaná – Ano Novo, mas na Bíblia é chamado de “Dia das Trombetas.” O décimo dia é chamado em Hebraico “Yom Kippur” e em Português “Dia da Expiação.” Estes 10 dias são chamados “Dias Terríveis” no calendário judaico. Por quê? A razão deste nome é por considerarmos que durante estes dias Deus está olhando para a nossa vida para ver se estamos verdadeiramente arrependidos de nossos pecados. Assim, dizemos em Hebraico que estes são os dias de “Hesbom Neffesh” (Prestação de Contas da Alma). Estes são dias em que examinamos nossas vidas e pesamos as conseqüências de nossas ações.

Como discípulos de Yeshua o Messias, todos sabemos ou devemos saber que não há expiação para ninguém sem aceitar e receber o que Deus fez por todos nós, judeus e gentios, através de Yeshua nosso Messias. No entanto, todos nós devemos viver nossas vidas na tensão diária entre 1 João 1:8, 10 e 1 João 3:6, 9.

Veja em 1 João 1:8, “Se dissermos que não temos pecado, enganamos a nós mesmos, e a verdade não está em nós.” E veja também em 1 João 1:10, “Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-LO mentiroso, e a Sua Palavra não está em nós.” O que você entende que estes textos estão dizendo? Parece-me que eles dizem que, se dissermos que não temos pecado estamos enganados e se dissermos que não pecamos fazemos Yeshua um mentiroso e a Sua Palavra não está em nós. Essas são acusações ainda mais sérias do apóstolo João para com aqueles que dizem que não precisam se arrepender e que não têm pecado.

Agora veja em 1 João 3:6 que diz: “Todo aquele que permanece Nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não O viu, nem O conheceu”. E veja o que diz 1 João 3:9: “Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.” Á primeira vista, estas palavras de João parecem implicar em que um verdadeiro crente não tem pecado e que, se um verdadeiro crente peca ele não conhece Yeshua. O versículo 9 parece implicar que um verdadeiro crente e um verdadeiro discípulo de Yeshua não pode pecar. Entretanto, vejo estes textos como um Hebraísmo – que é Hebraico traduzido para o Grego mas ainda usando expressões hebraicas. As palavras “não pode” significam “não deve” – “não deveria” – “não pode” - “não deve” pecar. Portanto, não há uma contradição na lógica do texto e agora ele faz sentido para mim. No entanto, se a minha interpretação for verdadeira então nós podemos, e de fato, pecamos, como discípulos de Yeshua, como também vimos no segundo capítulo de Gálatas que Paulo corrige Pedro por pecar em hipocrisia e preconceito para com os irmãos não-judeus evitando comer com eles a fim de encontrar favor ou agradar os irmãos que vieram de Jerusalém.

Nós realmente pecamos, mas esperemos que não seja por intenção e premeditadamente. Temos de nos arrepender e confessar os nossos pecados, pois se dissermos que não temos pecado estamos enganados e fazemos de Yeshua um mentiroso. Nesta hora quando a maior parte de Israel está considerando seus pecados e estamos refletindo acerca de nossos pecados e erros, seria bom gastarmos algum tempo meditando sobre as nossas falhas e pecados e praticando obras dignas de nosso arrependimento. Da mesma forma que João Batista disse às pessoas que foram até o vale do Jordão para ouvi-lo e ser imersos por seu arrependimento (Mt 3:8-11).

Um dos maiores pecados que estou testemunhando entre os irmãos ao redor do mundo é o pecado da ingratidão. Muitas pessoas que têm sido abençoadas por Deus e pela família e por professores da Palavra de Deus, parecem esquecer rapidamente quem os alimentou, treinou, e lhes trouxe as Boas Novas. Facilmente as pessoas cospem no prato em que comeram. Destaco este pecado por ser facilmente ignorado tanto pelos professores quanto pelos alunos. Todos nós precisamos nos arrepender deste pecado de ingratidão, primeiramente para com Deus e também para com aqueles que têm nos ensinado, alimentado e cuidado para que cresçamos e nos tornemos homens e mulheres de Deus.

Os Rabinos ensinam que devemos sair e encontrar um professor. Cada um de nós precisa de alguém sábio que seja nosso mentor e nos treine. Todo bom professor tem um professor e se ele não tem deve imediatamente procurar por um. Somos todos subjetivos e precisamos de alguém que nos ajude a ser mais objetivos. Precisamos nos tornar estudantes da verdade e estarmos, em primeiro lugar, sempre famintos pela Palavra de Deus. Precisamos de um professor para orientar-nos e ajudar-nos a permanecer em uma caminhada racional e consistente ao longo da vida para a vida eterna. É claro que Yeshua é nosso Rabino, Professor, além de ser nosso Salvador e SENHOR. Desde o início eu trouxe palavras da primeira carta de João e terminarei este ensino com as palavras de 1 João 2:2, “E, Ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro.” É tão maravilhoso termos a certeza de que Yeshua é a nossa propiciação, e propiciação significa perdão dos pecados. Ao mesmo tempo, é maravilhoso vermos tantos na nação de Israel gastando tempo pensando e orando e considerando seus próprios pecados e sua necessidade de ter expiação pelos seus pecados, mesmo ainda não sabendo o que Deus fez por eles através de Yeshua. Orem pela salvação de Israel e ajude-nos a ser uma bênção para o povo e a terra de Israel. Pensem no dia em que eles conhecerão o Messias e entenderão a grande obra que Yeshua fez por Israel e pelo mundo inteiro. Como “dever de casa” leiam os primeiros versículos do capítulo 3 de 2 Timóteo e encontrem a palavra “ingratos”. Vejam com quem o Apóstolo Paulo associa os ingratos e aprenda a ser mais grato especialmente para com aqueles que têm cuidado de você e lhe ensinado a Palavra de Deus, a fim de que você tenha vida em agora e eternamente. É claro, mesmo nossos professores não sendo perfeitos, eles são nossos professores, e devemos mostrar-lhes nossa gratidão pelo que eles compartilharam conosco.

Israel está cada vez mais isolado nas Nações Unidas, e a ameaça à nossa existência está aumentando quando olhamos para Israel do ponto de vista humano. Por outro lado, quando olhamos para Israel a partir de uma perspectiva diferente e da perspectiva de Deus podemos ser encorajados quando as trevas estão envolvendo as nações, pois uma luz brilhará como disse o profeta Isaías: “O povo que está em trevas verá uma grande luz”. Devemos orar por Israel e pelos Estados Unidos que está apoiando Israel, mas não abandonando as necessidades e as aspirações do mundo árabe.

Hoje, na sede das Nações Unidas em Nova York, tanto o Sr. Mahmud Abbas, presidente das autoridades Palestinas como o Sr. Benjamin Netanyahu falarão e apresentarão suas opiniões sobre o que precisa acontecer na terra de Israel. Os Palestinos querem um Estado e na verdade eles já têm um Estado e territórios, coisa que nunca tiveram antes em toda a história, e Israel é quem tem dado a eles este Estado, e ainda recolhe os impostos para eles e lhes fornece água, gás, combustível, hospitais, e universidades. Se eu fosse o Primeiro Ministro de Israel... Na verdade eu não pediria mais negociações. Elas têm acontecido por 4 décadas e têm falhado miseravelmente. Eu abençoaria os Palestinos e reconheceria o seu Estado e o faria oficial; e lhes pediria que tivessem um passaporte antes de cruzar a fronteira de Israel, e que tirassem o visto e viessem como turistas por três meses sem o direito a trabalho, a menos que ganhassem um visto especial, tais quais os americanos, os brasileiros, os finlandeses, ou qualquer outro turista vindo de outro país. Se alguém quiser um Estado – tem que ter um Estado reconhecido e totalmente aceito de uma maneira normal, com todos os símbolos e sinais de um Estado como moeda, selos, e sua própria eletricidade e irrigação, assim como tributação.

Tanto os Judeus quanto os Árabes têm muita sorte por eu não ser o Primeiro Ministro de Israel! Temos que orar pela presente realidade e por nossos líderes e nossos inimigos, e pedir que Deus os abençoe a todos com bom senso e expectativas racionais, e também com um desejo profundo de ter uma paz justa, real e duradoura tanto para Israel quanto para a Palestina. Toda a atmosfera do Oriente Médio e do Mundo Árabe tem mudado e continua mudando, e somente Deus sabe e pode mudar a situação para o bem do Oriente Médio e do mundo inteiro. Nós precisamos orar e orar e orar ainda mais, para que Deus envie Seus anjos e intervenha, dirija e dê visão aos nossos líderes para que sejam sábios e busquem verdadeiramente a paz para que as nossas nações possam viver lado a lado em prosperidade e pelo menos em calma, se não for possível em paz. Eu oro para que Deus propicie às Boas Novas uma chance em todo o Oriente Médio porque eu creio que a paz deve vir primeiramente entre Deus e o homem, para que então ela possa acontecer entre os seres humanos.

O Netivyah ainda tem grande necessidade de suas orações. Precisamos de um pessoal jovem disposto a entrar no ministério e ser uma bênção; que sejam treinados e ensinados, e capazes de carregar o peso de oração e intercessão pela nossa região e pelas Boas Novas. Precisamos nos tornar mais produtivos e comprometidos com a obra e a visão de Restauração e Renovação para o povo de ISRAEL e toda a região. Precisamos dos recursos financeiros para reconstruir nosso prédio tão logo a Suprema Corte de Israel tome sua decisão no dia 11 de outubro. Precisamos continuar a alimentar os pobres de Jerusalém e a ser uma bênção para esta cidade e para o povo desta terra. Você precisa saber que não estamos apenas alimentando Judeus e imigrantes Russos, mas também Árabes/ Palestinos e até mesmo uma família de Beduínos do Deserto de Negev. Precisamos continuar transmitindo pela Radio Kol HaYeshua todos os dias, e para isto precisamos de novos produtores de bons programas com uma nova visão e perspectiva para a população de língua Hebraica de todo o Oriente Médio. Por favor, ore por nós.

Por favor, ore pela lista de pessoas enfermas pelas quais sempre oramos e também pelas novas pessoas que estamos acrescentando a esta lista. Ore pela cura das seguintes pessoas: Elisheva Bojesky, Ruby, Tim Tucker, a família Ishiida no Japão, Sr. Sadako, e Liz. Ore também por Ahuva, Sara, Zvi, Leah, Miriam, Ilana, Sarit, David Stern, Zvi D., Batsheva D., David, e não se esqueça de Marcia, minha esposa; todos estes estão em Jerusalém.

Por favor, ore pela nossa congregação em Jerusalém e pelos trabalhadores do Netivyah para que tenham o espírito de arrependimento e perdão, e perdoem uns aos outros mesmo quando uma das partes não se arrepende e não pede perdão. É bom perdoar as pessoas que têm nos causado dano mesmo quando elas não nos pedem perdão ou não se arrependem porque perdão é bom para a nossa alma.

Que Deus os abençoe e lhes dê uma visão clara de onde você se encontra e onde você deve estar e como você deve chegar ao lugar onde Deus quer que você esteja. Arrependa-se e busque a Deus e renove seus valores e votos um com o outro e com Deus.

Por favor, não deixe de orar por nós e por Israel e de nos abençoar.

Joseph Shulam