domingo, 3 de junho de 2012


ALERTA!

Você consultaria com um médico que não tem registro no CRM? Contrataria um advogado que não é reconhecido pela OAB? Por que então muitas pessoas acreditam quando alguém surge do nada se dizendo “rabino messiânico” ou “rosh” e abre um trabalho supostamente “judaico-messiânico”? Por que não checam as referências, as credenciais, as ordenações e por quem tal trabalho é reconhecido? Por mais recente que o movimento judaico-messiânico seja no Brasil, há sempre a responsabilidade de se atestar as referências de qualquer trabalho que se auto-intitule “Judaico-Messiânico”. Podemos ainda ser poucos em Israel e no mundo, mas nos conhecemos mutuamente e tentamos nos unir apesar das diversidades. Para isso, existem organizações nos EUA, Europa e ISRAEL que atestam a seriedade e a LEGITIMIDADE de qualquer trabalho judaico-messiânico ao redor do mundo. Se um trabalho se auto-intitula Judaico-Messiânico, mas não é reconhecido nem conhecido por nenhuma organização judaico-messiânica séria e idônea, nem por nenhum líder judeu-messiânico de prestígio, já temos um PÉSSIMO sinal que há algo errado…
Se algum grupo ou indivíduo se diz “judeu-messiânico”, está automaticamente (consciente ou inconscientemente) dizendo fazer parte de um movimento presente em vários países, incluindo Brasil e ISRAEL. Neste movimento, há centenas de congregações e dezenas de organizações que, apesar de não concordarem doutrinariamente em tudo, se conhecem mutuamente e se responsabilizam uns pelos outros. Isso ocorre pois no judaísmo (seja messiânico ou não), há uma premissa maior que acatamos: “Col Israel areví ze le ze” – ou seja, Todo o Israel é responsável uns pelos outros. Não concordamos em tudo, mas fazemos parte de um mesmo mover profético e temos que nos esforçar para trabalhar juntos apesar das diferenças. Criar um grupo “judaico-messiânico” sem nunca ter sido discipulado por outros judeus messiânicos, sem ter tido contato algum com outra congregação judaico-messiânica, sem buscar relacionamento com outros grupos de judeus messiânicos (mais antigos e mais experientes), acarreta em um isolamento.
A UMJC, MJAA, Tikkun, Jewish Voice, Netivyah, e outras, não representam ‘a única verdade ou vertente’ no movimento judaico-Messiânico. Estas organizações são todas sérias e idôneas, mas divergem entre si em vários aspectos doutrinários. Porém, TODAS se reconhecem e se ajudam mutuamente. É por isso que atualmente elas ajudam a delimitar a legitimidade de um trabalho judaico-messiânico. Mesmo que uma congregação não seja filiada a nenhuma organização, é fundamental que ela tenha contato ou aval de líderes judeus-messiânicos de reputação comprovada dentro do movimento. Era assim na época dos apóstolos, e é assim até os dias de hoje nos meios judaicos. Qualquer pessoa que se identificasse como ‘apóstolo’ nos dias do 1º século, deveria possuir o aval do presbitério de Jerusalém. Qualquer congregação que surgisse como autêntica naqueles dias, deveria ter algum vínculo com os apóstolos em Jerusalém para ser considerada ‘kasher’ em relação à doutrina e à prática. Com o judaísmo atual é a mesma coisa: uma sinagoga que não é reconhecida por nenhuma instituição judaica (seja ortodoxa, reformista ou conservadora), não é uma sinagoga legítima. Da mesma forma, uma Congregação Judaico-messiânica que é alheia ao movimento judaico messiânico no Brasil e no mundo, que não se relaciona e que não é conhecida nem reconhecida por nenhuma organização ou líder que seja autoridade dentro do movimento, não pode ser uma congregação autêntica.

Ministério Ensinando de Sião – BRASIL usa suas referências com o único e específico propósito de dar segurança e tranquilidade às pessoas que nos procuram e desejam saber mais a nosso respeito e a respeito do Movimento Judaico-Messiânico no Brasil e no mundo. Há muitos falsos profetas em nossos dias, falsos judeus e falsas congregações Judaico-Messiânicas que não são reconhecidas por nenhum outro grupo judaico-messiânico no mundo e que têm trazido grande confusão e divisão tanto nos meios judaicos tradicionais como nos meios cristãos evangélicos. Você confiaria em um trabalho assim? Analise nossos frutos, as pessoas que conosco andam e nosso legado e história no Brasil, ISRAEL e EUA. Aprendam a discernir quem é quem no verdadeiro movimento Judaico-Messiânico mundial, pois há muitos que tentam tirar proveito da ignorância das pessoas para disseminarem suas falsas doutrinas e estranhezas em relação ao judaísmo e ao ensino de Yeshua e dos Apóstolos. Se não são reconhecidos nem conhecidos por NINGUÉM sério, é porque existem razões doutrinárias e comportamentais importantes para tal. Não seja enganado!
Para saber o que é e o que não é o Ministério Ensinando de Sião, clique aqui.
Para conhecer mais sobre o Conselho das Congregações Judaico-Messiânicas do Brasil, clique aqui.
Para conhecer as doutrinas estranhas que supostos “judeus-messiânicos” têm difundido em alguns estados brasileiros, clique aqui.