segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Incêndio criminoso responsável pelo fogo devastador em Haifa nesta quinta-feira; vários novos focos nesta sexta-feira


            Mais de treze pessoas foram presas; os residentes de Haifa finalmente voltam para suas casas; tentativa frustrada de colocar fogo perto de Jerusalém, Ariel.

           
            Israel continua lutando contra o fogo em diferentes partes do país nesta sexta-feira, com novos focos reportados em Beit Meir, nas colinas de Jerusalém, perto de Kyriat Gat, no sul do país, perto de Harashim, na Galileia e em toda região de Haifa.



            Além dos países que responderam ao pedido de ajuda na quinta-feira, Estados Unidos, Egito, Jordânia e Azerbaijão se comprometeram a enviar ajuda no combate às chamas: o Azerbaijão enviou um avião dos bombeiros, o Egito dois helicópteros e a Jordânia caminhões de bombeiro e equipes. Além do super tanque que chegará a Israel nesta noite, os Estados Unidos estão enviando 50 bombeiros para Israel.
           
O Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu visitou os prédios queimados em Haifa e encontrou-se com as equipes de bombeiros. Os 75.000 residentes que haviam sido evacuados puderam voltar para suas casas na sexta à tarde.

            Netanyahu então viajou para a base aérea de Hazor, onde encontrou-se com um piloto grego que tem trabalhado desde quinta-feira no combate aos focos. Com o microfone, o piloto disse algumas palavras calorosas para os israelenses: “somos seus amigos e sempre estaremos aqui por vocês”.

            Netanyahu disse que o tempo seco continuará até semana que vem e não está claro quando acabará.

            Um porta-voz do Corpo de Bombeiros de Haifa disse nesta sexta-feira que eles possuem evidências de que o fogo que começou perto do principal corpo de bombeiros da cidade foi um ato criminoso. Falando ao Channel 2, Uri Chibotaro disse que um vídeo provou a causa do incêndio.

            Moshe Kahlon disse à rádio de Israel que o grande incêndio em Haifa, que causou um estrago massivo na quinta-feira, foi um “ato intencional de incêndio criminoso”.

            Mais cedo, o Ministro da Segurança Pública, Gilad Erdan disse que o resultado de uma investigação sobre o incêndio em Zikhron Yaacov chegou à conclusão que o fogo foi causado por incendiários.
           
            A polícia reportou que no total, 12 indivíduos foram investigados por incêndio criminoso e por incitação como resultado das investigações. Erdan acrescentou depois que esse número tinha subido para 13.

Novos focos

            Às 6:15 da manhã de sexta-feira, a polícia de Jerusalém reportou que um fogo em Beit Meir era resultado de um incêndio criminoso e que todos os três suspeitos procurados pela polícia haviam sido presos às 9:00h. Os residentes foram evacuados de suas casas e algumas foram destruídas antes das chamas terem sido controladas.

            Pouco depois, a polícia israelense fechou as esradas e as ferrovias no norte de Kiryat Gat, ao sul de Israel, após dois focos surgirem perto da Rota 6, na principal rodovia que liga norte e sul. O trânsito agora está normalizado na região.

            Pouco antes das 10:00h, a polícia e os bombeiros foram chamados para combater um incêndio perto da cidade de Harashim, na Galileia. Com as chamas aproximando-se das áreas ao sul das comunidades, os residentes foram evacuados e equipes de emergência tentavam manter o fogo sob controle.

            Mais ou menos 10:15h, os bombeiros confirmaram que estavam trabalhando para apagar um fogo numa área florestal perto do Hospital Público Carmel, em Haifa. O Cahnnel 2 reportou que as equipes não esperavam que as chamas se tornariam incontroláveis e que o hospital não estaria correndo perigo. Um número de outros focos foram reportados na região de Haifa.

            O Channel 10 reportou que apartamentos teriam pegado fogo em Ramat Eshkol, mas as circunstâncias do incêndio ainda não haviam sido esclarecidas.

            Três palestinos foram presos pela polícia após falharem ao tentar começar um fogo perto do assentamento de Ariel, pela manhã e outros incendiários foram pegos em diferentes lugares de Jerusalém e região.

           
Tempestade de fogo de quinta-feira

            Na noite de quinta-feira, o número de focos combatidos nos últimos três dias seria de cerca de 200, com o Ministro da Seguranca Pública declarando a situação geral “sob controle”, à noite.

            O Magen Daviv Adom disse que atendeu mais de 90 pessoas por inalação de fumaça, que depois foram transferidas para hospitais. Pelo menos uma pessoa foi atendida em estado moderado.

            Não houve mortes ou pessoas em estado grave, disse a polícia.

            Aproximadamente 1.850 acres de florestas e áreas rurais foram destruídas em Zickhron Yaacov, Neveh Shalom, Modiin, Neveh Ilan e Nataf, disse o porta-voz do serviço dos bombeiros.

            A Agência de Segurança de Israel (Shin Bet) confirmou que estão investigando os incêndios para determinar se são ou não de origem criminosa.

            “O Shin Bet, juntamente com a polícia, prenderam vários suspeitos que foram levados para serem interrogados sobre a possibilidade de estarem conectados com os incêndios que afetaram várias áreas do país”, afirmaram as autoridades em um comunicado.

            A Defesa Civil da Autoridade Palestina disse que o governo de Israel pediu por ajuda para combater os fogos e que concordou em prestar socorro por razões humanitárias.

            Um número de focos também ocorreu em territórios palestinos, perto de Ramallah e Nablus.

            Fonte: Jpost