segunda-feira, 24 de abril de 2017

Israel se lembra


              Hoje começa uma semana de memória e comemoração em Israel. Dia 24 de abril é o dia do Memorial do Holocausto e no próximo 1º de maio começa o dia em Memória aos Soldados Abatidos, concluindo com a celebração do dia da Independência, no dia 2 de maio.
              Às vezes eu me pego pensando: por que gastamos tanto tempo revivendo esses eventos de partir o coração? Com certeza, as pessoas que vivenciaram esses traumas não precisam de um dia para se lembrar, elas vivem todos os dias com suas memórias pessoais.
              Durantes esses dias memoriais, meu avô me levava para visitar o túmulo de alguns de seus amigos e entes queridos. Ele me mostrava quem eram as pessoas com as quais ele tinha crescido; o homem que ajudara a construir a sinagoga, o açougueiro que vivia em frente ao centro judaico. Cada túmulo marcado com a estrela judaica representava uma vida única, uma vida que havia deixado a sua marca em meu avô.
              Para honrar essas pessoas, meu avô deixou uma marca permanente em mim. Eu era lembrado que estamos aqui hoje, por causa do sacrifício de tantas pessoas que não estão mais conosco.
              Hoje, em Israel, iremos nos unir em memoriais comemorativos em todo o país, nas escolas, em monumentos de guerra e nos cemitérios. Lágrimas serão derramadas, orações serão proferidas e pedras serão colocadas nos túmulos, com bandeiras hasteadas em honra àqueles que foram perdidos em guerras e no holocausto, no século passado. Amigos e familiares se reunirão para contar as histórias e relembrar a coragem e a dor, de pessoas amadas que nunca serão esquecidas.
              Logo, em alguns poucos anos, não haverá mais sobreviventes para contar suas histórias. Sentiremos sua ausência, pois eles não estarão mais aqui para nos direcionar, para assumir papéis de liderança em nossas comunidades ou para nos dar um abraço reconfortante.
              Esta semana, enquanto nos maravilhamos com a estação da primavera de renascimento, é bom separarmos um tempo para renovar nossa memória dos sacrifícios incalculáveis daqueles que tornaram possível para nós desfrutarmos nossa vida. É bom levarmos nossas crianças a eventos dos dias memoriais, ler os nomes nas placas e pensar nas famílias que foram mudadas para sempre, pela vida e perda de seus entes queridos e apertar as mãos de um jovem soldado, valorizando-o.
              Eles merecem nossa eterna gratidão!
              David Lazarus
              Fonte: Israel Today