segunda-feira, 20 de março de 2017

Lista de oração de Jerusalém – 16 de março de 2017

         A porção da Torá desta semana é Ki Tisá, de Êxodo 30:11-34:35. Ela conta a história da rebeldia dos filhos de Israel aos pés do monte Sinai. Moisés estava no topo do monte Sinai, conversando e recebendo de Deus a Torá. Os filhos de Israel estavam ao pé da montanha, preparados para receber a Torá, purificados, e impacientes, então eles pediram a Arão que dessem a eles um deus que os guiaria até a terra prometida e os tiraria do deserto. Arão cedeu à pressão popular e faz algumas exigências impossíveis. Pediu aos homens que pedissem às mulheres que tirarem todas as suas jóias e as doassem para a confecção do bezerro de ouro. O bezerro de ouro é o mascote da deusa egípcia “Hator”. Hator foi a deusa mais famosa no Egito antigo. Ela era chamada “a grande com muitos nomes”, porque era a deusa da vida e da morte e da prosperidade. Ela era retratada como uma figura feminina com uma cabeça de vaca e, algumas vezes, apenas com as orelhas da vaca. Seu símbolo no templo era uma vaca/bezerro de ouro.
              Como Arão (ele ainda não era o sumo sacerdote), irmão de Moisés, responde à demanda do povo e por quê? Arão também não sabia o que havia acontecido com seu irmão mais novo, por que Moisés não descia da montanha por tanto tempo. Ele não sabia se seu irmão tinha água ou comida suficiente lá em cima, naquela montanha no meio do calor do deserto. Tenho certeza de que Arão estava inseguro e que as pessoas continuavam a exigir e ele, naquele momento, pensou que se Moisés tivesse morrido, ele seria o novo líder daquela multidão de ex-escravos impacientes. Ele deveria prover para eles um deus que os guiaria pelo deserto. Arão, como todo bom político, sabia que a regra número um de um líder político é agradar ao povo e dar o que ele quer. Depois disso, o político pode fazer com o povo o que ele quiser. Então, Arão dá ao povo algo com o que eles são familiarizados. Eles são familiarizados com os deuses do Egito, os quais eles têm adorado por algumas centenas de anos. (“Agora, pois, temei ao Senhor, e servi-o com sinceridade e com verdade; e deitai fora os deuses aos quais serviram vossos pais além do rio e no Egito, e servi ao Senhor.” Josué 24:14). Dessas palavras de Josué, ao final de sua vida e liderança de Israel, durante a conquista da terra de Canaã, ainda podemos ouvir que os israelitas, mesmo após entrarem na terra prometida, ainda continuavam a adorar os deuses dos egípcios, com os quais eram familiarizados antes do êxodo. Velhos hábitos são difíceis de serem abandonados! É tão interessante que este Shabat é chamado de “Shabat Pará” – Shabat da Vaca. A razão para isso é porque a leitura adicional deste Shabat é do livro de Números 19:1-22. Esta é a história da comumente chamada “novilha vermelha”. A novilha vermelha é uma dessas cerimônias bem misteriosas da Torá. Precisa haver uma vaca (novilha) que seja vermelha – toda vermelha. Esta vaca é levada para fora do acampamento, para um local especialmente preparado para ela. A vaca é então oferecida como sacrifício, sendo completamente queimada. As cinzas dessa vaca vermelha são usadas para purificação de coisas como a lepra, impureza por encostar em coisas mortas e para o marido que suspeita da infidelidade de sua esposa colocá-la à prova. Todas essas cerimônias são muito diferentes (esquisitas), mas muito necessárias para uma comunidade como Israel nos dias do Tabernáculo e depois, durante o período do Templo em Jerusalém. É muito interessante que o autor do livro de Hebreus relaciona Yeshua com a novilha vermelha e a novilha vermelha com Yeshua. Veja: “Temos um altar, de que não têm direito de comer os que servem ao tabernáculo. Porque os corpos dos animais, cujo sangue é, pelo pecado, trazido pelo sumo sacerdote para o santuário, são queimados fora do arraial. E por isso também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta. Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério. Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura. Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome. E não vos esqueçais da beneficência e comunicação, porque com tais sacrifícios Deus se agrada.” (Hebreus 13:10-16). Este texto fala da novilha vermelha, pois é o único sacrifício que é oferecido fora do arraial e não no Tabernáculo ou no Templo em Jerusalém. (Dr. Wendel Jones, que é o verdadeiro personagem por trás das histórias de Indiana Jones, era um missionário batista em Jerusalém no início dos anos 1970 que encontrou o local da novilha vermelha, perto de Qumran, às margens do Mar Morto. Ele era um arqueólogo amador e os verdadeiros arqueólogos não gostavam muito dele, pois ele era meio aventureiro, como nos filmes de Indiana Jones.) Como você pode ver, o autor do livro de Hebreus, que provavelmente era um ex-membro da comunidade de Qumran, conecta Yeshua à novilha vermelha e convida os discípulos de Yeshua a saírem do arraial, porque apenas fora do arraial há purificação e salvação. Eu creio que essa mensagem é muito importante para a igreja hoje e da mesma forma para a sinagoga. As instituições, especialmente as instituições religiosas de hoje, estão dando o seu melhor para serem politicamente corretas, agradarem as pessoas e construírem igrejas maiores e mais ricas e estão enchendo seus bolsos com as cinzas do ouro do bezerro de ouro. O autor de Hebreus está convidando a mim e a você: “Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério. Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.”  
              Eu creio que todos nós devemos orar pelas igrejas e sinagogas, para que elas estejam dispostas a sair do mundo politicamente correto que leva por água abaixo toda verdade bíblica, a fim de agradar as multidões.
              Por favor, continuem orando por Israel. Israel é o único ponto de luz em todo Oriente Médio. Para qualquer direção que você olhar, você verá um Islã radical, cheio de ódio e violência, em um modo autodestrutivo. Como discípulos de Yeshua e pessoas comprometidas com os valores e princípios da Palavra de Deus devemos nos unir a Israel e apoiá-lo, pois nosso futuro, como crentes na Bíblia, está incrustado em Israel e apenas em Israel. Se você tomar as palavras do profeta Isaías e do profeta Amós e não espiritualizá-las para fora da existência, você se unirá com Israel e orará por Israel, especialmente por nós que estamos aqui em Israel e em Jerusalém, diariamente na brecha.
               Por favor, orem pela produção de mídia do Netivyah. Estamos agora no processo de projetar nosso estúdio e pedimos que vocês orem conosco para que possamos fazer desse estúdio o melhor local para gravarmos áudio e vídeo, com os meios que o Senhor nos dará.
              Orem por nossos amigos na Finlândia. Estávamos orando pela nossa querida irmã Anna, da Finlândia, e de certa forma o Senhor respondeu nossas orações. O Senhor finalmente tirou Anna do seu sofrimento, da doença e da vida de hospital. Anna é uma verdadeira pioneira do Movimento da Restauração na Finlândia. Eu a conheci em 1981 e desde aquela época, e mesmo antes disso, Anna e sua família estavam empenhados em orar e apoiar Israel e comprometidos com a restauração da comunidade do Novo Testamento dos santos. Agora ela está com o Senhor. Se Deus quiser, viajarei para a Finlândia, para fazer o funeral de Anna. A Marcia ficará sozinha em casa e ela precisa de suas orações. Oro pela Marcia, para que Deus a proteja e a guie enquanto eu estiver fora por quatro dias na Finlândia. Eu também peço para que você ore com fé pela cura da Marcia da artrite reumatóide e da diabetes. Essas doenças são debilitantes e a Marcia tem sofrido com elas por muitas décadas. Também orem por mim e pela minha viagem. Não existe mais vôo direto entre Israel e Finlândia, então com as escalas, a viagem se estendeu para mais de 11 horas, cada trecho. Eu preciso da misericórdia de Deus para essa viagem.
              Que Deus abençoe todos vocês que oram por Israel e pela paz de Jerusalém. Que o Senhor te guarde e que suas bênçãos fluam para você e através de você para todo o corpo do Messias ao redor do mundo.
              Por favor, ore para que o Senhor conforte a família enlutada da Anna e abençoe Anne-Mirijami, Satu-Maria, Sinni-Touli e Evelina.
              Joseph Shulam


segunda-feira, 13 de março de 2017

Lista de oração de Jerusalém – 9 de março de 2017


              Neste domingo que passou foi a Festa de Purim na terra de Israel. Nesta segunda é a Festa de Purim em Jerusalém. A razão para essa diferença é que Jerusalém é uma cidade murada e no livro de Ester está escrito: “Também os judeus, que se achavam em Susã se ajuntaram nos dias treze e catorze do mesmo; e descansaram no dia quinze, e fizeram, daquele dia, dia de banquetes e de alegria.” (Ester 9:18). Susã era uma cidade murada, uma cidadela, por isso eles celebraram e descansaram no dia quinze. Em Tel Aviv, no resto do país e nas cidades da diáspora que não são muradas, a Festa de Purim é celebrada no dia 14 do mês de Adar, mas em Jerusalém e nas cidades muradas, celebra-se no dia 15 de Adar. Os nomes dos meses no calendário judaico foram adotados durante o período de Esdras, após o retorno do exílio babilônico. Os nomes são nomes dos meses babilônicos, trazidos de volta a Israel com o retorno dos exilados. Essencialmente, são nomes pagãos. Alguns nomes são como os nomes dos meses em grego e em inglês, baseados em ídolos pagãos. Os nomes originais da Bíblia são essencialmente os números dos meses. Como Nissan é o primeiro mês e Adar é o mês de número 12 no calendário hebraico original. Como vocês podem ver, os nomes babilônicos são incluídos na Bíblia Hebraica apenas nos livros escritos após o exílio. Livros como Ester, Esdras, Neemias foram escritos durante o exílio e após o exílio eles incluíram esses nomes babilônicos para os meses. É como se os judeus americanos tivessem uma árvore de Hanuká – como a árvore de Natal. O livro de Ester quase não foi incluído na Bíblia Canônica. Existem três razões pelas quais ele foi quase rejeitado no Concílio de  Jamnia, em 90 d.C. As razões para a rejeição do livro de Ester foram: 1) O nome de Deus não aparece no livro de Ester. Não há menção de Deus, mas qualquer um que lê o livro sente que Deus está por trás de todos os eventos. 2) O caráter moral do livro é questionável do ponto de vista da moralidade da Torá. Mordecai instruiu Ester a mentir sobre sua identidade. Ele envia Ester para ser concubine na corte de um rei pagão, que com certeza não possuía comida Kasher em seu palácio. A terceira razão é que os judeus de Susã pareciam agir vingativamente e como gangues sedentas por sangue, estavam ansiosos por matar mais persas. Estamos todos felizes que no final, aqueles rabinos em Jamnia que entenderam a importância deste livro e viram inspiração divina na estória, apesar de o nome de Deus não aparecer, foram os que ganharam os argumentos e o livro de Ester está hoje na Bíblia.
Este shabat que passou é chamado em hebraico “Shabat Zachor” – zachor  significa “lembrar”. A leitura especial deste sábado é: “Lembra-te do que te fez Amaleque no caminho, quando saías do Egito; Como te saiu ao encontro no caminho, e feriu na tua retaguarda todos os fracos que iam atrás de ti, estando tu cansado e afadigado; e não temeu a Deus. Será, pois, que, quando o Senhor teu Deus te tiver dado repouso de todos os teus inimigos em redor, na terra que o Senhor teu Deus te dá por herança, para possuí-la, então apagarás a memória de Amaleque de debaixo do céu; não te esqueças.” (Deuteronômio 25:17-19)
              Algumas coisas não valem a pena serem lembradas e é melhor esquecê-las. No entanto, algumas coisas precisam ser lembradas porque aqueles que não se lembram estão fadados a repeti-las. Deus ordena Israel se lembrar do que Amaleque fez aos israelitas no deserto do Sinai. O rei Saul perdeu seu reino porque ele não se lembrou do que Ameleque havia feito a Israel e salvou Agague, o rei dos amalequitas (veja 1 Samuel 15). O livro de Ester nos leva de volta a este evento. Mordecai e Ester (o nome de Ester em hebraico é Hadassa) são da tribo de Benjamin, a mesma tribo do rei Saul. Hamã, que queria matar o povo judeu no império persa, era um descendente de Agague, o rei amalequita que Saul poupou. A estória de Ester é uma continuação direta e uma conseqüência do que o rei Saul se negligenciou a fazer. (Veja:”Havia então um homem judeu na fortaleza de Susã, cujo nome era Mardoqueu, filho de Jair, filho de Simei, filho de Quis, homem benjamita.” (Ester 2:5) “Depois destas coisas o rei Assuero engrandeceu a Hamã, filho de Hamedata, agagita, e o exaltou, e pôs o seu assento acima de todos os príncipes que estavam com ele.” (Ester 3:1)
              Claro, a proximidade de Purim com o período católico do carnaval na Europa e as práticas pagãs do carnaval influenciaram os judeus europeus a copiar as máscaras e o costume de beber dos pagãos europeus e esta prática encontrou solo fértil nestes versos do livro de Ester: “Também os judeus, que se achavam em Susã se ajuntaram nos dias treze e catorze do mesmo; e descansaram no dia quinze, e fizeram, daquele dia, dia de banquetes e de alegria.” (Ester 9:18) e então você tem Purim como carnaval, mas ao menos sem quaresma. Como vocês sabem, ninguém é perfeito!
              Nosso primeiro-ministro foi a Moscou por um dia, para se encontrar com o presidente Putin. Eu suponho que Netanyahu tenha ido lá para falar com Putin sobre o Irã e sua expansão no Líbano e na Síria. Netanyahu teme que quando a guerra contra o ISIS terminar, os persas, que são fortes apoiadores do presidente Assad da Síria e do Hezbolá, no Líbano, irá querer permanecer na Síria e no Líbano com o intuito de começar uma guerra contra Israel, tanto no Golan, ao sul da Síria, quanto no sul do Líbano. Por favor, orem pelo Netanyahu e por Israel. Não queremos uma guerra contra o Irã em nossas fronteiras ao norte. Já temos problemas suficientes com o Irã, problemas esses que foram realçados pelo presidente Obama, que ignorou todos os fatos e fez um acordo com o Irã, permitindo que ele continue seu desenvolvimento nuclear e investindo bilhões de dólares para reconstruir sua economia. Israel precisa de suas constantes orações para que o Senhor pare o programa nuclear do Irã e para que o Irã pare suas agressões contra Israel. Irã está a mais de 3.000km de distância das fronteiras de Israel. Está tão distante de Israel quanto Istambul, na Turquia, ou Atenas, na Grécia. Apenas Deus pode fazê-lo e oramos e pedimos para que Ele o faça.
              Orem por nossos irmãos e irmãs no Japão! Eles estão passando por um período de transição na liderança e a nova liderança precisa de suas orações. Que o Senhor Deus de Israel dê ao novo líder Seu Santo Espírito, sabedoria e conhecimento para reavivar e reequipar os irmãos e irmãs para o cumprimento de sua visão, missão e objetivos.
              Nosso filho Barry está bem melhor e a incisão da cirurgia está fechando e cicatrizando. Obrigado por suas orações pelo Barry e, por favor, continuem orando.
              Orem pela saúde da Marcia. Orem também pela Danah e Noam. Elas precisam de suas orações.
              Orem pelo Kol HaYeshua – estamos orando e buscando maneiras de fazer com que nossa transmissão seja mais efetiva e beneficie mais pessoas em Israel e em todo Oriente Médio.
              Orem pelo programa de distribuição de alimentos – HaMotzi. Aumentamos o número de beneficiados. Estamos atendendo mais de 30 famílias do departamento de Serviço Social de Jerusalém. Gostaríamos de expandir para novos bairros de Jerusalém. A razão para isso é a pobre situação desta cidade. Temos um grande número de cidadãos em Jerusalém que não trabalham e não pagam impostos. Uma grande parte da população é da comunidade judaica ortodoxa e outra é dos bairros árabes. Outra razão para a pobreza é a falta de empregos em Jerusalém. A população jovem e talentosa está se mudando para a região de Tel Aviv, onde há mais oportunidade de emprego e onde está o pólo tecnológico. O programa HaMotzi é um dos mais estimados, tanto por quem recebe quanto pela cidade de Jerusalém.
              Por favor, orem pela produção de mídia do Netivyah. Semana passada estivemos na América do Sul e tantas pessoas mencionaram o quanto elas aprendem através do You Tube e de nossa página na internet. Queremos expandir esta área de nosso ministério e precisamos de orações, fundos e energia para darmos nosso melhor no ensino. A mídia é a melhor maneira de alcançarmos essa nova geração. Ler livros é para a geração passada. Cumprimos a profecia de Marshall McLuhan, mídia é mensagem. Precisamos comprar novos equipamentos e precisamos de muita inspiração para fazer o melhor trabalho em espalhar as boas novas. As boas notícias são a única cura para as falsas notícias.
              Que Deus abençoe todos vocês que oram pela paz de Jerusalém. Que o Deus de Israel e Pai de nosso Messias Yeshua dê a vocês todas as bênçãos que Ele prometeu àqueles que abençoassem a semente de Abraão – Israel.
              Que o Senhor mantenha Suas bênçãos fluindo para você e através de você para todo o corpo do Messias ao redor do mundo.

              Joseph Shulam