sábado, 29 de outubro de 2016

Lista de Oração desde Jerusalém – 27 de outubro de 2016

Por Joseph Shulam – Thousand Oaks, Califórnia
              Neste próximo Shabat, todas as sinagogas do mundo começarão a ler a Torá de Gênesis 1:1, elas lerão a história da criação. Em alguns meios cristãos, a história da criação está sob ataque. Ela não é considerada “histórica” – mas sim um poema épico antigo que não deve ser avaliado de forma literal. Uma das razões para alguns estudiosos terem essa opinião é que existem dois poemas épicos bem antigos, que precedem Moisés e todos dois contêm narrativas da criação. Eu gostaria de compartilhar uma breve comparação entre o texto de Gênesis com o texto de Enuma Elish – uma narrativa babilônica da estória da criação – e de expor a minha análise:
             
Enuma Elish
Gênesis
O Espírito Divino e a matéria cósmica são coexistentes e coeternos
O Divino criou a matéria cósmica e existe independentemente da mesma
Caos primitivo; Ti’amat (deusa do abismo) envolta em trevas
A terra é um lixo desolado, com trevas cobrindo o profundo abismo (tĕhōm)
Luz emanando dos deuses
Luz é criada
Criação do firmamento
Criação do firmamento
Criação da terra seca
Criação da terra seca
Criação dos luminares
Criação dos luminares
Criação do homem
Criação do homem
Os deuses descansam e celebram
Deus descansa e santifica o sétimo dia
               
              Primeiro, vemos claramente as similaridades entre esses dois textos. Segundo, também vemos as diferenças. No relato de Gênesis, vemos que existe UM Espírito Divino Criador. Por causa das semelhanças, temos pelo menos três explicações possíveis:
1.       O texto de Gênesis é dependente (foi baseado ou aprendido) do Enuma Elish (a história babilônica da criação).
2.       O texto da Enuma Elish e o texto de Gênesis são dependentes de um terceiro texto que desconhecemos. Ambas as histórias são dependentes de uma fonte comum, que não existe mais hoje.
3.       Cada um desenvolveu a narrativa da criação pela observação e pela análise, independentemente.
Neste quebra-cabeça, todas as possibilidades estão abertas. A parte mais significativa destes textos é que ambos consideram que os luminares, o Sol, a Lua e as Estrelas, não foram criados no estágio inicial, mas primeiro havia uma luz de Deus em Gênesis e dos deuses em Enuma Elish. Em outras palavras, existe informação aqui que está fora do âmbito da observância natural. Há um elemento que está além do conhecimento comum e um entendimento que fala de uma fonte indefinida de luz que é divina – seja de UM Deus ou de vários deuses do mundo idólatra.
Agora, vamos lembrar que no livro de Gênesis não havia ídolos e nenhuma nação existia e até o capítulo 11, todos os seres humanos falavam a mesma língua. Entre as nações (הגויים) precisa haver uma memória latente e uma informação que é passada como um épico da criação que preserva elementos antigos e reinterpreta esses elementos à luz de sua circunstância atual – que é idólatra.
O que temos aqui, em minha opinião, é informação colaborativa e uma memória histórica antiga transmitida no contexto pagão das nações e reinterpretada no contexto idólatra de sua história. O que temos em Gênesis não é parte da memória histórica antiga porque Israel não era uma nação e não existia antes da Torre de Babel. Abraão é chamado pelo Deus Todo-Poderoso no capítulo 12 após a queda da Torre de Babel e o estabelecimento das nações. Por isso a história de Gênesis é uma revelação divina e não um poema épico baseado em uma cópia de um épico babilônico ou em uma antiga Epopeia de Gilgamesh que também possui elementos comuns da memória histórica. A diferença mais significativa é que o Divino é independente de Sua criação. Ele criou o mundo e tudo o que nele há e Ele ainda está fora da criação e acima dela. Na visão pagã, os deuses são parte da criação e parte da matéria e coexistem com a criação. A diferença é da maior importância, pois temos uma criação maravilhosa que o Deus Todo-Poderoso fez para nós seres humanos e Ele está acima e além da criação física.
Eu me lembro das palavras do apóstolo Paulo que na verdade diz tudo: “Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça. Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis; porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.” Romanos 1:18-23.
Com as eleições americanas se aproximando, e gostaria de encorajar todas as pessoas ao redor do mundo que estão lendo esta lista de oração a colocar seus joelhos no chão e orar pelos Estados Unidos e pelo mundo em que vivemos agora. Existem muitas questões pelas quais devemos orar:
1.       Existe uma nova guerra fria ganhando forma entre a Rússia e o Ocidente – a Síria está sendo o palco onde essa guerra fria pode se tornar numa guerra quente num piscar de olhos. Os russos estão mostrando suas novas armas, onde um foguete poderia destruir uma área do tamanho do Texas. Há um barulho de espada e movimento de força perto da fronteira Leste Europeia com a Rússia. Todos essas são questões de preocupação – não de medo – mas de preocupação, pois como filhos de Deus estamos preocupados com as questões de Deus e de seus filhos em todo o mundo.
2.       As eleições nos Estados Unidos, não importa quem vença, irão afetar todo o mundo e também trará mudanças nas nossas vidas. O que eu oro é simples: MARANATA! Venha sem demora, Senhor!
3.       Ore por Israel. Nossa fronteira no sul está esquentando novamente com Gaza e nossa fronteira com o Egito tendo incidentes e disparando foguetes quase que diariamente. Posicione-se contra as decisões falsas e do mal que estão sendo forçadas pelos países árabes/muçulmanos contra Israel na ONU e na UNESCO. Temos acesso ao Deus Todo-Poderoso quando oramos no nome de Yeshua e nossas orações são importantes e têm o poder, como a oração de Daniel, de mudar o caminho da história futura.
Continue orando pela minha família. Ore pela Marcia, Barry, Beth, Joey, Danah e Noam e por mim também. Eu preciso de força e cura de Deus para o meu próprio corpo. Marcia ainda está com seus pais no Tenesse e ela precisa de uma oração especial pela sua saúde.
Ore pelo Yuda e pelo Reuven, os dois estão prestando serviço como reservistas no exército de Israel agora. Ore pela proteção e segurança deles.
Ore pelos mais de 200 irmãos e irmãs chineses que foram batizados pelo Yuda no rio Jordão e também pelos 7 canadenses batizados pelo Yuda. Eu oro para que o Senhor abençoe estes queridos irmãos e irmãs e dê a cada um deles uma porção dobrada do Seu Espírito, para guiá-los e usá-los para trazer glória ao Seu nome e frutos para o Seu Reino.
Ore pelo Netyviah. Nossos cultos estão cheios toda semana e pessoas estão ficando em pé porque não há assentos suficientes na sinagoga. Nós somos gratos pelos visitantes de todas as partes do mundo, mas precisamos de suas orações porque necessitamos de crescimento dos irmãos e irmãs locais. Pedimos oração pelas jovens famílias da nossa congregação – elas são maravilhosas, mas cada uma delas tem seus desafios e necessidades e sua oração por elas com certeza será uma bênção!
Ore pelo fundo de bolsas estudantis que oferecemos aos discípulos de Yeshua. Nós disponibilizamos bolsas para 19 estudantes em Jerusalém e mais alguns estudantes na Galileia. Essas bolsas são de 200 dólares por mês por aluno e cobrem os custos da mensalidade na universidade. É uma grande ajuda e estamos fazendo isso para encorajar discípulos de Yeshua a estudar e a construir o futuro do corpo do Messias em Israel, com homens e mulheres de Deus bem equipados e com bons empregos e profissões honrosas. Precisamos da sua ajuda e suas orações para esse projeto que tem mais de 20 anos. Temos estudantes que receberam essa bolsa de estudo e agora são advogados, enfermeiras, acadêmicos e até eletricistas e encanadores.
Continue orando pelo Hamotzi – nosso programa de distribuição de alimentos. Está crescendo e esperamos ter mais 150 famílias necessitadas cadastradas antes de 1 de janeiro de 2017. Para aqueles que não sabem hebraico, Hamotzi é a oração que fazemos antes de comermos pão nas refeições. Este é o novo nome dado ao antigo Sopão pelo Yuda e por aqueles que estão trabalhando no programa.
Que Deus abençoe as vida desde Sião e abençoe sua entrada e sua saída e tudo o que você faz pelo Reino! Lembre-se de Gênesis 1:1 – Deus criou os céus e a terra – este planeta azul tem um Mestre que o faz girar e florescer sua beleza e que ama seus filhos, cada um deles!

Joseph Shulam

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Papa Francisco: Deus deu a terra prometida a Israel


              Em meio ao alvoroço causado pela resolução da ONU aprovada nessa semana negando qualquer conexão entre o povo judeu e Jerusalém e o Monte do Templo, o Papa Francisco, na quarta-feira, insistiu que o a ligação de Israel com a Terra Santa é antiga e divinamente ordenada.
              “O povo de Israel, que saiu do Egito, onde era escravo, andou pelo deserto por quarenta anos, até chegarem à terra prometida por Deus”, disse o Papa durante m discurso sobre a migração.
              Pouco depois, o pontífice reuniu-se com o vice-ministro israelense para a Cooperação Regional, Ayoub Kara, que, apesar de não ser judeu nem cristão (Kara é membro da população drusa de Israel), disse que as palavras de Francisco foram uma repreensão clara à ONU e sua tentativa de reescrever a história.
              Também na quarta-feira, o porta-voz do Knesset Yuli Edelstein escreveu ao Vaticano urgindo-o a rejeitar com veemência a resolução da ONU, a qual Edelstein chamou de “um ataque à história... e uma profunda ofensa tanto para o cristianismo quanto para o judaísmo”.

              Fonte: Israel Today

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Manuscrito raro da época do Primeiro Templo mostra a primeira menção em hebraico de Jerusalém


                No mesmo dia que a UNESCO aprovou a resolução que ignora a conexão judaica com o Monte do Templo, a Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI) exibiu um documento sem precedentes, da época do Primeiro Templo, contendo uma referência a Jerusalém.
                Escrito em hebraico antigo e datado do tempo do Reino de Judá, durante o século 7 a.C., a rara relíquia feita de papiro é a fonte mais antiga extra-bíblica que menciona Jerusalém em escrita hebraica.
                Saqueada de uma das cavernas do deserto da Judeia por um grupo de ladrões de antiguidades, o documento foi recuperado em uma complexa operação da Unidade de Prevenção de Roubo de Antiguidades da AAI.
                De acordo com o diretor da AAI, Israel Hasson, duas linhas de hebraico antigo estavam preservadas no documento, feito do miolo da planta papiro.

                “Um exame paleográfico das letras e uma análise do Carbono 14 determinaram que o artefato data provavelmente do século 7 a.C., no final do período do Primeiro Templo”, afirmou Hasson.
                “A maioria das letras está claramente legível e a leitura proposta do texto é a seguinte: .יין.  נבלים. מנערתה . המלך. מת[מא]ירשלמה. (“Da serva do Rei, de Naarate, jarros de vinho, de Jerusalém”).
“Posteriormente, foi determinado que a antiguidade era um documento original de transporte do período do Primeiro Templo, indicando o pagamento de impostos ou transferência de bens para um depósito em Jerusalém”, disse Hasson.

“O documento especifica o status do remetente da transferência (serva do rei); o nome da localidade de onde a remessa foi despachada (Naarate); o conteúdo dos vasos (vinho); o número ou quantidade (jarros) e seu destino (Jerusalém)”, afirmou Hasson.
“Naartah, que é mencionada no texto, é a mesma Naarate referida na descrição da fronteira entre Efraim e Benjamin, em Josué 16:7: ‘E desce desde Janoa a Atarote e a Naarate e toca em Jericó, terminando no Jordão’”, acrescentou ele.
O Dr. Eitan Klein, vice-diretor da Unidade de Prevenção de Roubo de Antiguidades da AAI, disse que o documento representa uma evidência extremamente rara da existência de uma administração organizada do Reino de Judá.
“Ele ressalta a centralidade de Jerusalém como capital econômica do Reino na segunda metade do século 7 a.C.”, disse ele.

“De acordo com a Bíblia, os reis Menassés, Amon ou Josias reinaram em Jerusalém nessa época; no entanto, não é possível saber com certeza qual dos reis de Jerusalém foi o destinatário da remessa de vinho.”
Hasson disse que a descoberta do papiro mostra “que existem outros artefatos tremendamente importantes para nosso patrimônio que estão esperando ser encontrados nas cavernas do deserto da Judeia”.
Ainda assim, ele alertou que os ladrões que vendem tais achados no mercado negro estão extricate them em um ritmo alarmante.
“Bens do patrimônio mundial estão sendo saqueados diariamente por ladrões de antiguidade por pura ganância”, advertiu Hasson.
“O Estado tem que se mobilizar e alocar recursos necessários a fim de começar uma operação histórica, junto com a população, e realizar escavações sistemáticas em todas as cavernas do deserto da Judeia.”
Os resultados preliminares das descobertas das pesquisas serão apresentados nesta quinta-feira, na Conferência Regional das Inovações na Arqueologia de Jerusalém, que acontecerá no campus do Monte Scopus da Universidade Hebraica de Jerusalém.
O evento é aberto ao público.


Fonte: Jpost

ONU confirma negação de conexão judaica com o Monte do Templo


              A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) nesta quarta-feira aprovou oficialmente a resolução que nega qualquer conexão judaica com o Jerusalém e seus lugares sagrados, incluindo o Monte do Templo.
                O documento exige que Israel cesse o que chama de “destruição intencional” dos locais sagrados de Jerusalém, aos quais a ONU se refere apenas pelos seus nomes islâmicos.
                Os atos de “destruição” referidos pela resolução são na verdade escavações arqueológicas que estão sendo realizadas junto ao Monte do Templo, escavações essas que revelaram vastas evidências que confirmam a longa e histórica conexão entre o local e o povo judeu.
                O Embaixador de Israel para as Naçoes Unidas, Danny Danon, condenou a decisão dizendo: “a UNESCO envergonhou a si mesma marchando ao ritmo dos tocadores de flauta palestinos. Todas as tentativas de negar nossa herança, distorcer nossa história e desconectar o povo judeu de nossa capital e terra natal estão fadadas a falhar.”
                O arqueólogo Dr. Gabriel Barkay, diretor de uma das escavações mencionadas acima, disse que a resolução era um “insulto” a qualquer pessoa com alguma inteligência.
                “Jesus e o Monte do Templo são mencionados no Novo Testamento mais de 20 vezes”, observou Dr. Barkay em uma coletiva de imprensa em Jerusalém. “Jesus foi até o Templo antes de sua crucificação e derrubou a mesa dos cambistas e profetizou sobre o Monte do Templo. Então quem tenta por em risco a conexão judaica com o Monte do Templo na verdade prejudica o cristianismo, já que este é baseado em Jesus e sua conexão com o Monte do Templo.”
                Na terça-feira, um grupo de senadores e congressistas americanos instaram veementemente outros países membros da UNESCO para rejeitarem a resolução, observando que “a tentativa de apagar a conexão judaica e cristã com essa cidade sagrada irá prejudicar ainda mais as perspectivas de paz”.
                Mas a delegação palestina ameaçou em uma carta para os outros delegados da UNESCO que se a votação a favor da resolução falhasse, os árabes seriam “obrigados a considerar outras opções”.
                A medida por fim foi aprovada com uma margem de 10 a 2, com 8 abstenções.

                
                Fonte: Israel Today

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

25 novos Manuscritos do Mar Morto são revelados





                Novos fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto podem conter escritos do livro de Neemias, que será uma nova adição aos muitos outros livros da Bíblia já descobertos pelos pesquisadores.
                Mais de 25 fragmentos inéditos dos “Manuscritos do Mar Morto”, que datam de 2000 anos atrás e apresentam textos da Bíblia Hebraica, foram trazidos à luz e seus conteúdos detalhados em dois novos livros.
                 Os vários fragmentos dos Manuscritos relatam partes dos livros de Gênesis, Êxodo, Levítico, Deuteronômio, Samuel, Rute, Reis, Miquéias, Jeremias, Joel, Josué, Juízes, Provérbios, Números, Salmos, Ezequiel e Jonas. As cavernas de Qumran – onde os Manuscritos do Mar Morto foram descobertos – ainda não tinham fornecido nenhum fragmento do livro de Neemias; se este fragmento recém-revelado for autenticado, será o primeiro.
Fonte: International Fellowship of Christians and Jews

Lista de Oração de Jerusalém – 20 de outubro de 2016

Por Joseph Shulam – Thousand Oaks, Califórnia

                Eu cheguei aos Estados Unidos na terça-feira desta semana. Eu estou ficando com Danah e Noam e aproveitando cada minuto que posso com minha filha e minha neta. Sei que muitos de vocês têm levantado um clamor por minha família e eu e a Marcia somos muito gratos por essas orações. É uma bênção divina ter seus filhos perto quando se está envelhecendo. Nossos dois filhos moram longe de nós, do outro lado do mundo. Nossa filha e neta moram na Califórnia e nosso filho com sua família moram no Tenesse. Nossa vida nem sempre viaja nos trilhos que escolhemos, mas em tudo damos graças a Deus e louvamos o Seu nome! Por favor, continue a orar pela minha família.
                Por favor, continue orando por Israel. Como você pode ver, toda semana o MUNDO – e eu estou usando essa palavra no sentido bíblico, não é apenas a Terra geográfica, mas a entidade espiritual que está em guerra contra o Criador e em inimizade com Ele. “Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” (Tiago 4:4). “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.” (1 João 2:15). Como você pode ver a partir dos eventos ocorridos na semana passada, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) por duas vezes emitiu um comunicado condenando Israel e afirmando que Israel não tem nenhuma relação com o Muro das Lamentações e com o Monte do Templo. O Primeiro-Ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse: “Mesmo que eles não leiam a Bíblia, eu gostaria de sugerir que os membros da UNESCO visitassem o Arco de Tito, em Roma. O Arco mostra o que os romanos trouxeram de volta a Roma, depois de terem destruído e saqueado o Segundo Templo no Monte do Templo há 2000 anos. Lá está gravada, no Arco de Tito, a Menorá de sete pontas, que é o símbolo do povo judeu e hoje é o símbolo do Estado de Israel. Logo, a UNESCO decidirá que o Imperador Tito se comprometeu com a propaganda Sionista. Dizer que Israel não tem nenhuma conexão com o Monte do Templo é dizer que a China não tem nada a ver com a Grande Muralha da China, ou que o Egito não tem nenhuma conexão com as pirâmides. Com essa decisão absurda, a UNESCO perdeu o mínimo de legitimidade que ainda lhe restava. Mas eu acredito que a verdade histórica é mais forte e que a verdade prevalecerá. E hoje estamos lidando com a verdade.”
                Israel irá existir muito depois de a União Europeia deixar de existir. No entanto, aqueles que acreditam em Deus e confiam na Palavra de Deus devem orar por Israel e levantar a bandeira de Israel como um ato profético, proclamando a fidelidade de Deus em manter a Sua Palavra e cumprir as Suas promessas. O Mundo sempre esteve contra os Filhos de Deus e a Igreja de Yeshua, nosso Messias, também está sofrendo a mesma rejeição que Israel e o povo judeu têm sofrido ao longo dos tempos. Aqueles que são fiéis a Deus irão continuar a andar de mãos dadas com Ele e no fim serão mais que vencedores. Ore por Israel e pelo povo judeu e sempre inclua nas suas orações aqueles que morreram com o Messias no batismo e ressuscitaram para uma nova vida e especialmente pelos nossos irmãos e irmãs em Israel.
                No domingo, tivemos um batismo muito especial de 200 cristãos da China, que vieram a Jerusalém para a Festa de Tabernáculos. Eu ensinei sobre o conceito bíblico de Batismo e o Yuda fez o batismo nas águas do rio Jordão. Ele batizou primeiro quatro líderes entre os chineses e depois cinco deles batizaram outros 196 irmãos e irmãs. Ontem o Yuda batizou outros 7 nativos norte-americanos que vieram do Canadá e um  espectador da Polônia, que ouvia e observava o Yuda e também quis ser batizado. As nações estão abertas a ouvir a Palavra de Deus de Sião e em Sião – isto é algo que ainda não tínhamos visto nos tempos de Israel moderno. É algo para comemorarmos!
                Os Estados Unidos precisam das nossas orações, queridos irmãos, há muito em jogo nesta próxima eleição presidencial. As opções são ambas profundamente denegridas e agora está tudo nas mãos do Todo Poderoso, mas jejum e oração pode ser a chave para Deus mostrar sua misericórdia e este grande país que são os Estados Unidos da América! Não apenas cidadãos norte-americanos devem orar, mas todos aqueles cristãos livres que acreditam que Deus ama não apenas os EUA, mas todo o mundo, devem interceder.
                Por favor, ore pela guerra no Iraque e na Síria contra o ISIS e ore também pelas forças do Iraque e dos EUA que estão lutando para recapturar a cidade de Mussol, no norte do Iraque. Já houve tanto sofrimento e derramamento de sangue e centenas de milhares já perderam suas vidas e ainda existem centenas de milhares sofrendo lá. Eu oro para que as forças da razão e da caridade ganhem essa batalha contra as trevas do Islamismo Radical, que busca apenas morte e destruição, crime e injustiça como seu objetivo.
                Em nossa congregação, neste fim de semana será celebrada a Simchat Torá, o último dia da Festa de Tabernáculos, e esta é a primeira vez que eu não vou estar lá para ajudar. Eu peço que você ore pelo Yuda e pela liderança do Netyviah para organizar e ter a ajuda necessária da congregação, para fazerem uma celebração apropriada e animada e começarem a ler a Torá de volta a Gênesis. É um grande evento e eu peço que você ore pelo Yuda e pelos outros líderes para conduzirem este evento de forma honrosa e digna e com muita alegria. Por favor, juntem-se a mim em oração pelos jovens líderes da congregação Roeh e do ministério Netyviah.
                Deus abençoe todos vocês e tudo o que vocês fazem e abençoe cada oração e cada dólar que vocês contribuem por amor de Jerusalém.
Joseph Shulam

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Israel e a batalha com a UNESCO

Israel enfrenta uma difícil batalha na próxima semana com a votação mais recente da UNESCO sobre Jerusalém

                O Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu está determinado a contactar vários líderes dos 21 países membros do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO, na esperança de persuadi-los a não apoiar a votação que acontecerá na próxima semana sobre a resolução que ignora a conexão judaica com o Monte do Templo.
              O embaixador de Israel para a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, Carmel Shama-Hacohen, afirmou que Israel enfrenta uma difícil batalha perante o Comitê, já que este é composto por países com um histórico de votação contra Israel.
              “Há uma vontade de por fim a este caos (da tal resolução) que prejudica a todos”, disse Shama-Hacohen. Mas ele reconheceu que o Comitê do Patrimônio Mundial que se reunirá em Paris nos dias 24 a 26 de outubro “será um campo de jogo muito difícil”.
              A votação é parte de um processo burocrático onde o Comitê do Patrimônio Mundial reafirma Jerusalém e a Cidade Antiga e seus Muros na lista de locais ameaçados chamado de “Patrimônio Mundial em Perigo”.
              Essa votação estava marcada para julho deste ano, em Istambul, mas o golpe fracassado da Turquia forçou o Comitê a reagendar para outubro a nova reunião.
              Naquela época, o texto em questão referia-se ao Monte do Templo apenas pelo seu nome islâmico de Al-Haram Al-Sharif. E o Muro das Lamentações foi mencionado duas vezes entre aspas e todas as outras vezes foi referenciado como Buraq Plaza.
              Desde 2015, os palestinos têm pressionado para mudar a referência linguística do Monte do Templo para ignorar as conexões judaico-cristãs do local, transformando cada resolução da UNESCO em uma batalha cultural e histórica entre judaísmo e islamismo.
              Na terça-feira, os 58 estados-membros da diretoria da UNESCO concluíram sua 200ª sessão em Paris ratificando tal texto, que havia sido aprovado na semana passada por 24 a 6 votos. Vinte e seis países se abstiveram e dois estavam ausentes.
              O México, que foi um dos 24 países a favor da resolução anunciou que retirou seu apoio ao texto e que gostaria de ser considerado um dos países que se abstiveram.
              O Brasil também se pronunciou na sessão final da diretoria e indicou que será improvável seu apoio a tal resolução no futuro.
              “Nós avançamos um passo e meio para desmantelar a maioria automática que os palestinos e os estados árabes têm contra Israel”, disse Shama-Hacohen, após a ratificação.
              “O México deu um passo completo para abandonar seu apoio aos palestinos, após anos votando sem hesitar contra Israel.”
“A melhor surpresa da manhã”, disse ele, “foi a notificação do Brasil, que apesar de não ter mudado seu voto neste momento, acharia difícil não o fazer (no futuro), sobre uma resolução com outro texto que desconsidera a conexão do povo judeu com o Monte do Templo e com o Muro Ocidental”, afirmou Shama-Hacohen.
A Autoridade Palestina recebeu bem o resultado da ratificação de terça-feira da Diretoria e recusou os argumentos de Israel que a linguagem do texto era historicamente problemática.
“Estamos falando de posse e domínio do local que fica na Jerusalém Oriental”, disse o vice-embaixador da Autoridade Palestina para a UNESCO, Mounir Anastas.
“Estamos lembrando que Israel é o poder ocupante do local e como tal, tem obrigações a respeitar e que eles têm mais do que obrigações; eles estão presos a leis internacionais que os obriga a, primeiro, não realizar nenhuma obra e segundo, não mudar os nomes neste local.”
“Israel está tentando mudar, focar a atenção em um problema secundário, que é a denominação e coisas assim, esquecendo a essência do problema, que é a ocupação por Israel”, disse Anastas.
A UNESCO aceitou a “Palestina” como um estado-membro desde 2011, apesar de as Nações Unidas não terem feito a mesma coisa.

Na próxima semana, o Comitê do Patrimônio Mundial aprovará um texto similar. As nações que compõe esse Comitê agora são: Angola, Azerbaijão, Burkina Faso, Croácia, Cuba, Filipinas, Finlândia, Indonésia, Jamaica, Cazaquistão, Kuwait, Líbano, Peru, Polônia, Portugal, República da Coreia, Tunísia, Turquia, Tanzânia, Vietnã e Zimbábue. 

Fonte: JPost

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Sucot Samêach!



Durante esta festa, lembramo-nos de como o povo de Israel vivia em “sucot” – Tabernáculos – durante o êxodo do Egito de volta à Terra Prometida. Os israelitas experimentaram a proximidade, a provisão e a proteção de Deus dia a dia.  
Hoje, como antes, vamos nos assentar em “tendas”, lembrando-nos da providência e proteção divina em relação a nós no ano que se passou e pediremos sua graça para o ano que está por vir.
Gostaríamos de desejar a todos os nossos amigos e leitores uma Festa de Tabernáculos abençoada e desejamos também sobre sua vida a proteção e a provisão de Deus!

Chag Sucot Samêach!

Lista de Oração de Jerusalém – 13 de outubro de 2016

Por Joseph Shulam - Jerusalém Israel

              Este é o dia após o Iom Kipur (o Dia do Perdão). O significado deste dia mudou desde a guerra de 1973 – Guerra de Iom Kipur. Agora em Israel não estamos apenas jejuando e orando pela expiação desta nação, mas também em memória daquela terrível guerra que começou no meio do Iom Kipur, em 1973. Aquela guerra é um monumento para os doentes mais graves do estado de Israel, doenças não só físicas, mas também espirituais. Em nossa congregação estivemos reunidos desde o culto na segunda-feira à noite, terça pela manhã e à tarde e encerramos nosso serviço na terça-feira à noite. Nós oramos, louvamos e o ensino foi maravilhoso. Eu ensinei apenas no último culto, no encerramento do jejum, onde tivemos o toque do Shofar. No primeiro culto quem ensinou foi o Moran e na terça pela manhã quem compartilhou a Palavra foi o jovem David. Ambos esses jovens líderes fizeram um excelente trabalho ensinando. Tivemos uma refeição antes de começarmos o jejum e uma refeição para encerrarmos o jejum e quase todo mundo da congregação jejuou por 25 horas, sem comer nem beber nada, nem água. Eu na verdade bebi água devido a alguns problemas de saúde. Hoje mesmo fiz um eco cardiograma de estresse no hospital. Este é um teste interessante, onde você é submetido a um estresse e nesse momento de estresse é feito um eco cardiograma. Eu ainda não sei o resultado desse exame e só vou saber quando voltar da minha viagem aos Estados Unidos.
              Durante Iom Kipur, aconteceram manifestações na Jerusalém Oriental e especialmente abaixo do Monte do Templo – na antiga vila de Siloé. Foi na piscina de Siloé que Yeshua curou um homem cego num Shabat, e essa vila é mencionada por Yeshua diversas vezes.
              A situação entre Israel e os palestinos não está melhorando, na verdade está se tornando cada dia mais perigosa e complicada. Dois fatos exacerbam a situação: 1) o comportamento e as declarações insidiosas que saem de Washington, Paris e Bruxelas e 2) o trabalho do Irã com o Hezbolá e o Hamás.
              O profeta Ezequiel tem algumas palavras muito duras a dizer para Israel, mas ele também vê as promessas de Deus que profetiza o retorno do povo de Israel. Todos podem ver as previsões de Ezequiel no capítulo 36-37, o vale de ossos secos. No entanto, poucos reconhecem aquele capítulo que fala sobre o mau pastor/líder, que se aproveitam das ovelhas as quais Deus confiou a ele. Neste contexto, é interessante ler o seguinte texto: “Porque assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu, eu mesmo, procurarei pelas minhas ovelhas, e as buscarei. Como o pastor busca o seu rebanho, no dia em que está no meio das suas ovelhas dispersas, assim buscarei as minhas ovelhas; e livrá-las-ei de todos os lugares por onde andam espalhadas, no dia nublado e de escuridão. E tirá-las-ei dos povos, e as congregarei dos países, e as trarei à sua própria terra, e as apascentarei nos montes de Israel, junto aos rios, e em todas as habitações da terra. Em bons pastos as apascentarei, e nos altos montes de Israel será o seu aprisco; ali se deitarão num bom redil, e pastarão em pastos gordos nos montes de Israel. Eu mesmo apascentarei as minhas ovelhas, e eu as farei repousar, diz o Senhor DEUS.” (Ezequiel 34:11-15)
              Você pode ver uma promessa clara do Senhor, que inclui o retorno dos judeus à sua própria terra. Isso não significa que árabes e palestinos possam viver como bons vizinhos com o povo de Israel e compartilhar a mesma terra, também não significa que a solução de dois estados é impossível, mas significa que o povo de Israel tem uma promessa divina do Criador do Universo, que eles devem ser capazes de viver e se estabelecer e cultivar as montanhas e os vales dessa terra.
              Eu peço que você ore pelos líderes do Oriente Médio, tanto de Israel quanto dos árabes/palestinos, para que usem de sabedoria e busquem a paz uns com os outros.
              Eu peço para que você ore pelas centenas de milhares de cidadãos da Síria que estão sofrendo agressões inigualáveis pelo regime do presidente Assad e pelos bombardeios da força aérea da Rússia. Os russos vieram à Síria com o objetivo de lutar contra o ISIS e o terrorismo, mas até agora eles têm bombardeado cidadãos inocentes. E o mundo não está fazendo nada contra isso! Quando Israel estava lutando em Gaza para impedir o Hamas e outras organizações terroristas de lançarem foguetes contra nossas vilas e cidades pacíficas, a maioria do mundo condenou Israel por se defender.
              Agora temos essas duas grandes potências, os Estados Unidos e a Rússia se preparando para mais uma guerra, pode ser uma guerra fria ou talvez até mais que uma guerra fria. Cabe a nós intercedermos e clamarmos ao Altíssimo para enviar uma solução dos céus para esse derramamento de sangue de civis inocentes, mulheres e crianças, jovens e velhos, que estão sendo sacrificados pelos seus próprios líderes, para a sua satisfação e benefício político. Sei que o Senhor pode mudar este horror em apenas um instante, se Ele assim o quiser. Nossa tarefa é clamar pela misericórdia e justiça de Deus, para se mostrar presente em nosso tempo e acabar com esse horror que é a guerra no Iraque e na Síria.
              Eu realmente creio que essas guerras no Oriente Médio são guerras baseadas não apenas em questões de terra, mas têm uma questão espiritual muito mais profunda, uma origem na inimizade e no ódio que são tão antigos quanto a Bíblia. Por esse motivo eu estou aproveitando essa oportunidade nesta lista de oração e pedindo para que pessoas ao redor do mundo orem – orem pela sabedoria de Deus de alguma forma penetre nos judeus através da Torá e dos Profetas e nos muçulmanos através do Corão. Se Deus pode falar a um profeta pagão como Balaão e até com sua mula – Ele pode falar com líderes políticos que precisam tomar decisões difíceis e sábias com coragem.

              Por favor, ore pelo Netyviah e pela congregação Roeh Israel. Nós temos uma liderança jovem maravilhosa, mas eles precisam de suas orações e de seu apoio. Eles têm feito um bom trabalho liderando a congregação e alimentando o pobre de Jerusalém e publicando a revista Teaching from Zion e fazendo as transmissões de rádio através do programa Kol Há Yeshua. Mais uma vez eu vou ficar fora de Israel por mais de um mês e eu preciso de suas orações pela minha saúde e por histamina e por sabedoria divina nos meus ensinamentos ao redor dos Estados Unidos. Enquanto eu estiver fora de Israel, por favor, me suporte com suas orações, mas ore também pelo Yuda, Daniel, Oleg, Hannah e Nancy – e pelo Dror e pelas jovens famílias que têm servido o ministério Netyviah e a congregação Roeh Israel. 

ONU rejeita ligação de judeus com o Monte do Templo

Resolução da Unesco chama locais sagrados apenas pelo nome árabe e faz parte de campanha da entidade contra Israel


A Unesco aprovou nesta quinta-feira, 13, uma resolução segundo a qual o Muro das Lamentações, local mais santo para a religião judaica, assim com todo o Monte do Templo (do qual o Muro faz parte) são sagrados “apenas para os muçulmanos”.
A moção iniciada pelos palestinos com o apoio do Brasil, Egito, Argélia, Marrocos, Líbano, Omã, Catar e Sudão venceu com 24 votos a favor. Vinte e seis nações se abstiveram e apenas seis foram contra.
Estados Unidos e Israel tentaram por semanas evitar a aprovação da resolução, em uma tentativa de preservar a história e não politizar (ainda mais) o braço das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura. 
O Templo do Monte, chamado em hebraico de Har Habait (“Monte da Casa”), é o lugar onde, acredita-se, foram erguidos o Templo de Salomão e, mais tarde, no ano 70 d.C, o Templo de Herodes.
Em 677 d.C, nesse mesmo espaço, foram construídos o Domo da Rocha e a mesquita de al-Aqsa, de 705 d.C.
Hoje, o local é conhecido como a Esplanada das Mesquitas para os muçulmanos. A cidade nunca foi citada pelo Corão, livro sagrado do Islã, e o profeta Maomé nunca pisou na cidade.
Fonte: Veja

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Arqueólogos: a história bíblica aconteceu bem aqui


Depois de Jerusalém, Laquis foi a cidade mais importante desde o tempo do rei Roboão até o exílio na Judeia, em 586 a.C.. O site arqueológico de Tel Laquis tem sido escavado por anos, mas devido ao seu enorme tamanho, apenas em março deste ano foi completamente revelada a complexa estrutura dos portões da cidade.
              De acordo com o diretor da escavação, Sa’ar Ganor, o "Santuário do Portão," site específico que está agora sendo totalmente revelado, aponta para ninguém menos que o rei Ezequias.
              Mais especificamente, os achados no Santuário do Portão estão relacionados com as reformas religiosas do rei Ezequias, mencionadas em 2 Reis 18:4 – “Ele [Ezequias] tirou os altos, quebrou as estátuas, deitou abaixo os bosques, e fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera.”
              Os chifres quebrados dos dois altares localizados entre a complexa estrutura do Portão foram quebrados para desconsagrar os altares pagãos.  As latrinas encontradas dentro do Portão também refletem uma prática comum usada para profanar lugares santos pagãos, mencionado pela primeira vez em conexão com o rei Jeú: “Também quebraram a estátua de Baal; e derrubaram a casa de Baal, e fizeram dela latrinas, até ao dia de hoje.” (2 Reis 10:27).
              Testes realizados pela Autoridade de Antiguidades de Israel descobriram que essas latrinas nunca foram usadas, confirmando a noção de que elas serviam como um sinal de profanação.
              O Portão também revela que a instituição bíblica do “Portão da Cidade” foi real. Ganor explica os bancos bem preservados localizados dentro das câmaras da porta: “De acordo com descrições bíblicas, o portão de uma cidade era onde tudo acontecia. Os anciãos da cidade, os juízes, governadores, reis, e burocratas - todos eles sentavam-se nos bancos às portas da cidade”, que agora podem realmente ser vistos pela primeira vez.
              Como era esperado, os políticos rapidamente aproveitaram a oportunidade para enfatizar a conexão da Israel moderna com seu passado bíblico.
              O Ministro da Cultura e do Desporto, Miri Regev, disse que essa descoberta é uma de muitas em uma longa linha que “nos dá uma breve visão do nosso rico passado”. O Ministro da Proteção Ambiental, Ze’ev Elkin, afirmou que a escavação é outro exemplo de como as histórias da Bíblia são confirmadas pelos registros arqueológicos.
Fonte: Israel Today

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

O Messias Sofredor nas Orações de Iom Kipur


Você está visitando uma sinagoga em Iom Kipur.
No auge das orações, o impensável acontece.

              Na época em que ainda havia Templo, o Iom Kipur era um dia cheio de rituais sacerdotais dramáticos, como o destino de dois bodes, que era decidido por sorteio e a oferta de sangue e  o incenso no Santo dos Santos, feito pelo Sumo Sacerdote. Na sinagoga hoje em dia, nada disso acontece, é claro. Mas as orações não são menos dramáticas nem menos elaboradas; na verdade, elas ensaiam o passo a passo dos rituais sacerdotais de expiação do Sumo Sacerdote.
              O mais intenso e mais longo serviço de Iom Kipur é chamado Mussaf. Ele corresponde às ofertas e sacrifícios que eram trazidos nos dias do Templo (veja Números 29:7-11).
              A intensidade do Mussaf atinge o clímax durante a oração chamada Kedushá, onde erguemos nossa voz juntamente com a multidão de anjos que estão constantemente ao redor do trono de Deus, clamando: “Santo, Santo, Santo!”. Dessa forma, santificamos o nome de Deus na terra assim como ele é santificado nos céus por anjos.
              Aqui, no Kedushá, é o momento onde você é pego de surpresa. O líder das orações (chamado de chazan) de repente começa a descrever como o Messias, através de seu intenso sofrimento, traspasses e feridas, conquista o perdão pelos nossos pecados.
              O rabino não se agita nem se mostra surpreso. A congregação continua a orar com fervor, como se nada incomum estivesse acontecendo. Isso é porque essa é uma porção de uma oração de Iom Kipur chamada Az Milifnei Vereshit, que tem sido recitada nas sinagogas por séculos.
              A passagem pode ser encontrada no volume dois do famoso Machzor Kol Bo:
              Aqui vai minha franca tradução, que você é livre para criticar:
              Então, antes da criação,
              Ele estabeleceu o Templo e o Yinnon.

              O Talpiot acima desde o início
              Ele preparou antes de qualquer povo ou língua.

              Ele decidiu deixar sua presença morar ali,
              Para guiar o errante no caminho reto.

              Se o ímpio está avermelhado (pelo pecado)
              Que ele se lave e seja limpo antes de tudo.

              Se a ira feroz (de Deus) for incitada,
              O Santo não vai despertar sua ira completa.
              Até agora, nossa riqueza tem se esgotado,
              Mas a nossa Rocha não nos tocou.

              Nosso justo Messias se desviou de nós;
              Temos agido como tolos e não ninguém para nos justificar.

              Nossas iniqüidades e o jugo das nossas transgressões
              Ele carrega, e ele é traspassado por nossas transgressões.

              Ele carrega nossos pecados em seus ombros,
              Para encontrar perdão para nossas iniquidades.

              Pelas suas pisaduras fomos sarados,
              Para sempre uma nova criatura; o tempo da sua criação.

              Levante-o do círculo;
              Erga-o para fora do Seir.

              Para chamar-nos ao monte do Líbano
uma segunda vez através Yinnon.

Esta oração desenvolve um conceito encontrado na Gemara, em Pesachim 54a e Nedarim 39b: “Sete coisas foram criadas antes de o mundo ser criado: a Torá, o arrependimento, o Jardim do Éden, Gehenna, o trono de glória, o Templo e o nome do Messias.” Essa oração também faz alusão à afirmação dos Sábios (Sanhedrin 98b) que Yinnon é um dos nomes do Messias (baseado na interpretação criativa do Salmo 72:17).
O tema do Messias sofredor encontrado nessa oração não só é fortemente tirado de Isaías 53, mas também está de acordo com vários textos midrásticos, em particular Pesikta Rabbati 36.
Outros blogueiros messiânicos também deram destaque a essa oração, incluindo Digging com Darren e Rosh Pina Project, apenas para descobrir comentaristas anti-missionários incrédulos.  Seria essa uma oração tradicional e legitimamente judaica? Com certeza foi inventada por missionários cristãos! (Parte desta confusão se deve ao fato da única edição que possui esta oração em inglês é a de 1931, traduzida pelo reverendo doutor A. Th. Phillips. Este não parece ser um nome judaico.)
Mas eis que este piyut (poema litúrgico) é encontrado em inúmeros Machzorim, incluindo:
Um comentarista anônimo no blog Rosh Pina exclamou que essa oração não existe no Machzor ArtScroll. Mas na verdade existe, se você souber onde encontrá-la. Na página 534, uma nota diz, “A maioria das congregações recitam o Kedushá Festivo e de Shabat padrão (abaixo); algumas recitam uma versão maior (página 827). O que teria “aumentado” nesta versão, nas páginas 827-829? É a oração Az Milifnei Vereshit (não traduzida, é claro).
A existência e o uso dessa oração não provam que Yeshua é o Messias e que os rabinos sempre souberam disso. Antes, mostra que o conceito do sofrimento do Messias é intrínseco ao pensamento histórico judaico. Os anti-missionários “colocam uma pedra diante do cego”, por assim dizer, quando eles negam a ideia que o judaísmo ensina sobre o sofrimento do Messias e o Seu perdão pelos nossos pecados.

Podemos entender essa reação, no entanto. Yeshua tem sido descaracterizado por seus seguidores há séculos. Os estudiosos judeus há muito tempo têm percebido a igreja cristã como uma extensão do Império Romano, e como tal, dando continuidade ao legado de Esaú, o antagonista de Israel. “Seir” nesta oração (a casa bíblica de Esaú/Edom) é uma referência ao exílio romano atual. Os comentários sobre essa oração explicam que “Erga-o para fora de Seir” significa “tirar Israel do exílio”. Mas eu acho muito interessante que “o” também pode fazer referência ao Messias. Ele também está no exílio, sentado às portas de Roma. É hora de Yeshua ser restaurado ao seu próprio povo!

Autor: Aaron Eby

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Lista de Oração de Jerusalém – 06 de outubro de 2016

Por Joseph Shulam – Jerusalém, Israel

Este é o último shabat antes de Iom Kipur (Dia do Perdão). Este shabat é chamado “Shabat Shuvá”. Shabat Shuvá significa Sábado de Arrependimento. A razão para esse nome é porque a leitura dos profetas é do livro de Isaías 55:6-56:8. “Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar.” Isaías 55:6,7
                O que podemos aprender do texto acima do livro de Isaías?
1.       “Buscai ao Senhor enquanto se pode achar”: o Senhor tem uma época em que pode ser achado, mas há um limite de tempo para esse período. Este é um ensinamento bíblico encontrado no livro de Gênesis. Deus disse ao nosso pai Abraão: “Então disse a Abrão: Saibas, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos, mas também eu julgarei a nação, à qual ela tem de servir, e depois sairá com grande riqueza. E tu irás a teus pais em paz; em boa velhice serás sepultado. E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos amorreus não está ainda cheia.” Gênesis 15:13-16
- O Senhor não lançou fora as sete nações da Terra de Canaã por causa da retidão do povo de Israel, como está escrito: “Quando, pois, o Senhor teu Deus os lançar fora de diante de ti, não fales no teu coração, dizendo: Por causa da minha justiça é que o Senhor me trouxe a esta terra para a possuir; porque pela impiedade destas nações é que o Senhor as lança fora de diante de ti.” Deuteronômio 9:4
- Vai chegar um tempo em que o Senhor não mais aceitará as nossas orações e será tarde demais para se arrepender. Isto é verdade tanto para indivíduos como para tribos, povos e nações. “Tu, pois, não ores por este povo, nem levantes por ele clamor ou oração, nem me supliques, porque eu não te ouvirei.” Jeremias 7:16
- Leve isto em consideração: o Senhor disse que mesmo se esses dois grandes homens de Deus, Moisés e Samuel, se colocassem diante de Mim para interceder por este povo, não mudarei de ideia em favor do povo – eu ainda os enviarei para a diáspora.
2.       Existe um momento de oportunidade, um tempo onde você está perto de Deus e Ele está perto de você. Este é um tempo onde Deus está esperando por você e Ele te dá momentos e oportunidades de voltar para Ele. Este “voltar” chama-se “ARREPENDIMENTO” ou “RETORNO”. O apóstolo Paulo define este processo aos cidadãos de Atenas, Grécia, quando ele falou aos juízes da Suprema Corte de Atenas: “Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.” Atos 17:30,31
3.       A próxima coisa que aprendemos desse texto de Isaías 55 é a definição de ímpio e de homem maligno e o que Deus espera deles e de todos nós: “Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos”.
- Uma pessoa ímpia é aquela que não pensa antes de tomar uma atitude e faz o que é mal, mas sua motivação não é previamente calculada com intenção maligna.
- Uma pessoa maligna é aquela que sabe o que é “CERTO”, mas ele pensa a respeito e calcula seus atos malignos com intenção e premeditação.
4.       O Senhor chama tanto o ímpio quanto o homem maligno a retornarem para Ele. Isso é o “ARREPENDIMENTO” – Deus está chamando o pecador para voltar para Ele. Pecado é a separação entre Deus e o homem. O pecado nos separa de Deus e faz com que Deus ignore nossas petições e feche Seus olhos e ouvidos para nosso clamor. Mas, se nos voltarmos para Ele, isso irá acontecer: “se compadecerá dele...porque grandioso é em perdoar”.
Temos o mesmo Deus que Isaías e o povo de Israel tem, desde o chamado de Abraão nosso pai até a cruz de Yeshua nosso Messias e até agora e até o fim dos tempos.
Este Shabat todos os judeus em todas as sinagogas ao redor do mundo             lerão este texto de Isaías. Seria maravilhoso se cada cristão orasse a Deus pela salvação de Israel, para que as palavras de Isaías sejam aceitas e recebidas e para que o tempo oportuno do Senhor seja recebido. Seria maravilhoso se todas as igrejas e comunidades de discípulos de Yeshua ao redor do mundo meditassem sobre seus próprios pecados e voltassem para Deus. Por favor, ore por isso tanto para os judeus quanto para sua igreja e comunidade.
Organizações religiosas, igrejas, denominações e organizações ensinam os pecadores a se arrependerem e voltarem para sua igreja ou denominação. Eles ensinam que a igreja tem o poder de perdoar pecados e redimir o pecador. Mas não é isso que a palavra de Deus ensina. O Senhor disse: “Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei. Porque com alegria saireis, e em paz sereis guiados; os montes e os outeiros romperão em cântico diante de vós, e todas as árvores do campo baterão palmas.” Isaías 55:11,12. Este é o fim do jogo, queridos irmãos e irmãs. No fim, Deus e Sua Palavra (a palavra impressa e a palavra viva – o próprio Yeshua) serão vindicados e todas as promessas de Deus serão cumpridas e não só o homem, mas a natureza e a terra em si irão voltar para Deus, o Criador. A única pergunta é se sabemos como aproveitar este momento oportuno, quando os portões do arrependimento estão abertos e o coração de Deus está cheio de compaixão e o nosso veredicto ainda não foi selado. O momento onde voltamos para Deus e retornamos a Ele, com todo nosso coração, com toda nossa alma e com todo nosso ser. Os dez dias entre Rosh Há Shaná e Iom Kipur são chamados Dias Temíveis – os dias terríveis, mas também são o tempo do favor de Deus, onde Ele nos espera como indivíduos e como nação, para retornarmos a Ele. Para que Ele tenha compaixão de nós e nos perdoe abundantemente.
Vamos orar uns pelos outros e por nossas nações e comunidades para ouvir e receber as palavras do profeta Isaías, proferidas no século 8 a.C.
Ore pelo Estado de Israel. Nos últimos dias tem acontecido uma chuva de foguetes de Gaza nas cidades do sul de Israel e também no norte do deserto do Negev. Casas e propriedades foram destruídas, mas acima de tudo, houve a perturbação da vida durante este período de festas, quando as famílias estão reunidas celebrando e buscando o arrependimento. Este é provavelmente o maior dano causado pelo terrorismo – plantar o medo, a ansiedade e a perturbação na vida cotidiana.
Israel enviou alguns jatos F-16 para bombardear prédios vazios que pertenciam à organização terrorista do Hamas e no caminho de volta para casa, um desses jatos caiu e o piloto morreu. Este piloto era o segundo em comando do esquadrão. Este é o mesmo esquadrão que Emanuel Levi – que era o piloto número um da força aérea do exército de Israel – pertencia, quando ele sofre um acidente, seu jato caiu e ele morreu, há cinco anos. Emanuel nasceu e cresceu em nossa congregação, aqui em Jerusalém. Mais uma vez, temos outra vítima e mais uma família enlutada em Israel. Nós nos sentimos próximos desses jovens e suas famílias, que carregam o peso de lutar pelo único lar que os judeus têm no mundo – a terra que Deus deu ao nosso pai Abraão e à sua semente para sempre. Ore por essa terra, pelo cumprimento das profecias de Deus para Israel e para o mundo.
Ore pela mãe do Yuri – ela tem 79 anos de idade e sofreu um grave derrame e está em coma no hospital. Oramos para que as misericórdias do Senhor sejam reveladas à família e a todos os que trabalham naquele hospital.
Por favor, continue orando pela minha família. A Marcia está agora com nosso filho Barry, Beth e Joseph, indo para o leste do Tenesse, para estar com seus pais até o feriado americano de Ações de Graça. Barry precisa especialmente das suas orações. Ele está aguardando o resultado de uma gastroscopia e de algumas biópsias. Nosso filho tem sofrido por alguns anos com problemas gástricos. Nós oramos e confiamos em Deus pela cura do Barry e por sabedoria para saber o que tem que ser feito. Marcia ficará no leste do Tenesse por mais de um mês e ela precisa da graça e da cura de Deus e de lembrar-se de tomar seus medicamentos e insulina.
Continuamos a orar por Gary, em Jerusalém, pelo Aharon (filho da Nancy e do Don)  que ainda está batalhando contra um tumor no cérebro. Por favor, mantenha-o em suas orações. Ore também por sua família! Yuri Marianenko está lutando contra um câncer de próstata. Nossos maravilhosos irmãos e irmãs mais velhos precisam das nossas orações: Ahuvah Ben Meir, David Stern, Marcia Shulam, Sarit, Miriam, Ilana e Leah.
Por favor, ore também pela cura da minha família: Danah Shulam  minha filha, Noam minha neta, pelo meu filho Barry e minha esposa Marcia. Nós oramos também pelos nossos queridos irmãos e irmãs Ruby, Clara, Paulo, Naomi, Tim Tucker, Anna, Anne-Mirijami, Satu-Maria, Anna-majia, Sinni Tuuli, Erki e Sirpa, Evelina, Eva H., Liz na Geórgia, e os pais da Marcia, Horace e June.
Nós colocamos especialmente perante o Trono da Graça os pais do Marcelo em Belo Horizonte.
                Nós oramos pelos seguintes irmãos e irmãs: Pastor Curita em Tóquio, Toru San, e o marido de Yumi, Sadako San, Shoko San, Takeo Sensei e Tomoko San, todos no Japão.
                Por favor, ore pelo Netyviah, pela distribicao de alimentos, pelo programa de rádio Kol Ha Yeshua e pelas bolsas de estudo, que conseguimos aumentar em quase 100% neste ano letivo.
                Deus abençoe sua vida e tudo o que você faz, especialmente suas orações e apoio ao Netyviah e a Israel.


                Joseph Shulam